Leitura em grupo de obras literárias ajuda a aliviar dor crônica, diz estudo

Segundo pesquisadores da Universidade de Liverpool, no Reino Unido, leitura compartilhada ajuda pacientes a acessar experiências emocionais 'escondidas' que podem estar por trás da dor

A leitura de contos, poemas e prosa em grupo proporciona alívio para aqueles que sofrem de dores crônicas, demonstra estudo da Universidade de Liverpool, no Reino Unido. A dor crônica caracteriza-se por um sofrimento que persiste, mesmo quando não há mais o dano físico. Pode estar ligada a traumas e experiências emocionais difíceis. A hipótese da pesquisa é que a leitura auxiliaria pacientes a acessar experiências emocionais “escondidas” que podem estar por trás da dor. 


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“Nosso estudo indicou que a leitura compartilhada pode ajudar a trazer para o consciente dores emocionais antes passivamente sofridas por pacientes com dor crônica”, disse Josie Billington, uma das autoras do estudo, em nota. 

Leitura em grupo como terapia 

Para avaliar a eficácia da leitura compartilhada, pesquisadores dividiram os participantes em dois grupos. Um deles fez leitura em grupo e o outro participou de sessões de Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) – um tipo de psicoterapia também usada para o tratamento de dores crônicas. Ao final, o grupo que participou da TCC se juntou à leitura. 

Sam Greenhalgh / Flickr CC

Segundo estudo de pesquisadores britânicos, clubes de leitura ajudam a aliviar dor crônica

Os grupos de leitura eram pequenos (2-12 pessoas). Os encontros eram semanais e os textos eram lidos em voz alta.  O material de leitura variava e era escolhido por interesse dos participantes. Não houve um conteúdo específico ou gênero selecionado previamente.

Hoje na História: 1900 - Morre poeta e dramaturgo Oscar Wilde

Quais empresas controlam o que comemos?

Vacina cubana contra HIV apresenta resultados positivos em testes com seres humanos

 

Durante a leitura, eram feitas pausas regulares para encorajar as pessoas a refletirem sobre o que estava sendo lido, pensamentos ou memórias que o livro ou poema trouxe ou sobre como o conteúdo se relacionava com suas próprias vidas. 

Curar a pessoa – não só a dor

Ao final do estudo, enquanto os participantes do TCC controlavam as emoções por meio de técnicas sistemáticas, os participantes da leitura conseguiam acessar as dores e articular saídas. Os pesquisadores, no entanto, não cravaram que uma técnica é superior à outra. A ideia é que ambas podem ser combinadas para ajudar na superação da dor. 

“Enquanto a leitura traz maior encorajamento e enfrentamento da dificuldade emocional, a terapia cognitivo comportamental ajuda na gestão da emoção no curto prazo”, afirma Billington.

Por fim, uma vantagem da leitura é que ela pode ser um gatilho para recordar experiências relacionadas a toda a vida – e não só as do período afetado pela dor.  “Isso, por si só, tem um efeito potencialmente terapêutico em ajudar a recuperar uma pessoa inteira, não apenas uma doente”, conclui o estudo.

 

Publicado originalmente no site da Revista Brasileiros



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Milhares participam de Marcha pela Ciência

Protestos contra cortes na área científica propostos pela gestão Trump foram convocados em mais de 500 cidades; em Washington, cerca de 70 mil manifestantes se reúnem em frente à Casa Branca

 

À força, meu querer

Donald Trump e Kim Jong-un combinam guerra ao telefone: 'Duas ogivas de médio alcance. Assim acerta Tóquio, né?' 'Acho que devemos ter mais ousadia. Esse mundo tá muito chato. O Obama nem sabia fazer guerra direito. Coloca mais dois na Coreia, pode ser?'

 

Rafael Braga é condenado a 11 anos de prisão

Único condenado preso no contexto de junho de 2013, Braga estava em regime aberto com uso de tornozeleira quando foi preso por porte de 0,6 g de maconha, 9,3 g de cocaína e um rojão, que lhe foi atribuído pelos policiais que o prenderam

 

Mais Lidas