Leitura em grupo de obras literárias ajuda a aliviar dor crônica, diz estudo

Segundo pesquisadores da Universidade de Liverpool, no Reino Unido, leitura compartilhada ajuda pacientes a acessar experiências emocionais 'escondidas' que podem estar por trás da dor

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A leitura de contos, poemas e prosa em grupo proporciona alívio para aqueles que sofrem de dores crônicas, demonstra estudo da Universidade de Liverpool, no Reino Unido. A dor crônica caracteriza-se por um sofrimento que persiste, mesmo quando não há mais o dano físico. Pode estar ligada a traumas e experiências emocionais difíceis. A hipótese da pesquisa é que a leitura auxiliaria pacientes a acessar experiências emocionais “escondidas” que podem estar por trás da dor. 


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“Nosso estudo indicou que a leitura compartilhada pode ajudar a trazer para o consciente dores emocionais antes passivamente sofridas por pacientes com dor crônica”, disse Josie Billington, uma das autoras do estudo, em nota. 

Leitura em grupo como terapia 

Para avaliar a eficácia da leitura compartilhada, pesquisadores dividiram os participantes em dois grupos. Um deles fez leitura em grupo e o outro participou de sessões de Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) – um tipo de psicoterapia também usada para o tratamento de dores crônicas. Ao final, o grupo que participou da TCC se juntou à leitura. 

Sam Greenhalgh / Flickr CC

Segundo estudo de pesquisadores britânicos, clubes de leitura ajudam a aliviar dor crônica

Os grupos de leitura eram pequenos (2-12 pessoas). Os encontros eram semanais e os textos eram lidos em voz alta.  O material de leitura variava e era escolhido por interesse dos participantes. Não houve um conteúdo específico ou gênero selecionado previamente.

Hoje na História: 1900 - Morre poeta e dramaturgo Oscar Wilde

Quais empresas controlam o que comemos?

Vacina cubana contra HIV apresenta resultados positivos em testes com seres humanos

 

Durante a leitura, eram feitas pausas regulares para encorajar as pessoas a refletirem sobre o que estava sendo lido, pensamentos ou memórias que o livro ou poema trouxe ou sobre como o conteúdo se relacionava com suas próprias vidas. 

Curar a pessoa – não só a dor

Ao final do estudo, enquanto os participantes do TCC controlavam as emoções por meio de técnicas sistemáticas, os participantes da leitura conseguiam acessar as dores e articular saídas. Os pesquisadores, no entanto, não cravaram que uma técnica é superior à outra. A ideia é que ambas podem ser combinadas para ajudar na superação da dor. 

“Enquanto a leitura traz maior encorajamento e enfrentamento da dificuldade emocional, a terapia cognitivo comportamental ajuda na gestão da emoção no curto prazo”, afirma Billington.

Por fim, uma vantagem da leitura é que ela pode ser um gatilho para recordar experiências relacionadas a toda a vida – e não só as do período afetado pela dor.  “Isso, por si só, tem um efeito potencialmente terapêutico em ajudar a recuperar uma pessoa inteira, não apenas uma doente”, conclui o estudo.

 

Publicado originalmente no site da Revista Brasileiros

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Santos anuncia ingresso da Colômbia na OTAN

O presidente e prêmio Nobel da Paz, J. Manuel Santos, escolheu ingressar na historicamente belicista OTAN na mesma semana em que se inicia a etapa final do processo eleitoral colombiano