Venezuela vence ExxonMobil em demanda contra nacionalização de hidrocarbonetos

Ciadi (Centro Internacional para Arbitragem de Disputas sobre Investimentos) revogou decisão de 2014 que estabelecia multa de US$ 1,4 bilhões por processo de nacionalização realizado pelo governo venezuelano

O Ciadi (Centro Internacional para Arbitragem de Disputas sobre Investimentos) reconheceu o apego legal das autoridades venezuelanas na participação da empresa ExxonMobil no projeto Cerro Negro, informou nesta sexta-feira (10/03) o governo venezuelano através de comunicado lido pelo ministro de Comunicação e Informação Ernesto Villegas.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“A República Bolivariana da Venezuela celebra a justa decisão do Centro Internacional para Arbitragem de Disputas sobre Investimentos (Ciadi), que declarou ontem, 9 de março de 2017, procedente a solicitação da Venezuela sobre a participação da empresa estadunidense ExxonMobil no projeto Cerro Negro da Faixa Petrolífera do Orinoco”, afirma o texto.

A medida, confirmada pelo Ministério do Petróleo, revogou a decisão de 2014, que estabelecia uma multa de 1.4 bilhões de dólares à empresa norte-americana ExoonMobil, como resultado do processo de nacionalização da indústria levado a cabo pelo governo venezuelano.

“A Venezuela manifesta seu compromisso para acatar e cumprir de forma cabal esta decisão, que representa um triunfo jurídico incontrovertível em defesa dos direitos soberanos e irrenunciáveis da nossa pátria sobre nossos recursos energéticos”, declarou o documento.

Wikicommons

ExxonMobil era uma das empresas que moviam processos contra o governo venezuelano por nacionalização

EUA querem incluir Caracas em sua 'agenda de guerra', diz vice-presidente venezuelano

'Nunca mais seremos colônia de ninguém', diz Caracas após Senado dos EUA aprovar resolução contra Venezuela

Venezuelanos homenageiam Hugo Chávez em quarto aniversário de morte de líder revolucionário

 

As autoridades venezuelanas ainda destacaram que o país, que “conta com as maiores reservas [de petróleo] provadas do planeta, que supera mais de 300 bilhões de barris, é um país de portas abertas para o investimento internacional”. Apesar da decisão do Ciadi, o governo ratificou à ExxonMobil e às empresas internacionais sua “disposição para continuar trabalhando juntos em projetos energéticos para o desenvolvimento da Venezuela, no âmbito jurídico nacional e do Direito Internacional, para o progresso de nosso povo”.

Em 2007, o governo da Venezuela começou a criar empresas mistas em parceria com o setor privado, em que, por lei, a maioria das ações nos diferentes projetos ficariam nas mãos da empresa estatal petrolífera Pdvsa. Como consequência, dois grandes projetos controlados pela Exxon foram afetados nas áreas petrolíferas de Cerro Negro e La Ceiba.

As autoridades venezuelanas pagaram uma compensação à empresa norte-americana, no valor contável de seus ativos, mas a ExxonMobil protestou, argumentando que Caracas deveria pagar o valor de mercado de seus ativos, que era significativamente maior. Entre as 22 empresas nacionalizadas, a ExxonMobil, assim como a ConocoPhillips, abriram processos legais contra a Venezuela, tendo o restante decidido negociar acordos de compensação com Caracas.

O governo venezuelano acusou a empresa norte-americana de recorrer à Justiça internacional como uma medida para elevar os preços do petróleo.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera

Destaques

Publicidade

Democracia

Democracia

A construção e a defesa da democracia envolve muitas áreas: feminismo, educação, história. Conheça alguns títulos da Alameda Casa Editorial sobre o tema.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Homenagem à Caros Amigos

Como foi bacana chegar à banca de jornal e encontrar essa revista grandona, cheia de texto, falando coisas que eram totalmente não ditas nos grandes jornais