Angelina Jolie estreia como professora na London School of Economics com aula sobre atuação de mulheres em conflitos

Atriz norte-americana relatou a alunos do Centro para Mulheres, Paz e Segurança sua experiência com ajuda humanitária e como a violência sexual é utilizada como arma nas guerras

A atriz norte-americana Angelina Jolie teve nesta terça-feira (14/03) seu primeiro dia de aula como professora de um mestrado sobre o papel das mulheres em conflitos na universidade britânica London School of Economics (LSE).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Angelina, de 41 anos, descreveu a seus alunos sua experiência com ajuda humanitária e como a violência sexual é utilizada como arma nas guerras, afirmou o jornal Evening Standard.

Antes da aula, a atriz e cineasta admitiu que se sentia "nervosa".

"Espero ir bem, é muito importante para mim", afirmou a atriz, docente em um mestrado no qual também dão aulas o ex-ministro britânico das Relações Exteriores William Hague e a diretora do departamento legal da Anistia Internacional (AI), Jane Connors, entre outros.

Agência Efe

Angelina Jolie durante conferência anual da Fundação Sergio Vieira de Mello na sede da ONU em Genebra, na Suíça, nesta quarta-feira (15/03)

Lola Aronovich: 'Quanto mais crescem os movimentos feministas, mais cresce a reação virulenta ao feminismo'

Lego lançará conjunto com mulheres da Nasa

Mundo enfrenta maior e mais grave crise humanitária desde 2ª Guerra Mundial, diz ONU

 

O curso, que é aplicado no Centro para as Mulheres, a Paz e a Segurança, integrado na LSE, tem como objetivo desenvolver "estratégias para promover a igualdade de gênero e melhorar a participação econômica, social e política das mulheres, assim como sua segurança".

Entre outras ocupações, a estrela de Hollywood atua como enviada especial da Acnur, a agência da ONU para os refugiados, e liderou junto com Hague diversas campanhas contra a violência sexual nas guerras.

Em maio do ano passado, quando anunciou sua intenção de aceitar o posto de professora na universidade londrina, Angelina afirmou que esperava que o mestrado contribuísse para formar analistas e pesquisadores na matéria que ajudem a acabar com a "impunidade" dos crimes contra as mulheres.



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas