Venezuela acusa secretário-geral da OEA de 'intervenção' e diz que ele é 'líder da oposição ao diálogo'

Luis Almagro, secretário-geral da OEA, defendeu suspensão da Venezuela caso não fossem convocadas eleições gerais nos próximos 30 dias

O Ministério das Relações Exteriores da Venezuela publicou nesta terça-feira (14/03) uma nota de repúdio ao último relatório do secretário-geral da OEA (Organização dos Estados Americanos), Luis Almagro, denunciando a “intervenção internacional” no país. Almagro defendeu na terça-feira a suspensão da Venezuela da entidade caso Caracas não convocasse eleições gerais em um prazo de 30 dias. Por sua vez, a chanceler Delcy Rodríguez afirmou nesta quinta (15/03) que Almagro lidera a oposição ao diálogo político em Caracas, além de atentar "contra a paz da Venezuela, a estabilidade e integridade" ao país.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“A República Bolivariana da Venezuela manifesta seu mais profundo repúdio ao ilegítimo e ilícito pretenso relatório sobre a Venezuela apresentado pelo Sr. Luis Almagro, que atua como Secretário-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), desconhecendo os processos institucionais e princípios desta organização”, afirmou a chancelaria na nota.

Segundo Caracas, Almagro, considerado “inimigo do povo da Venezuela”, “forjou falsas suposições contra a República com o único objetivo de promover a intervenção internacional de nosso país e acentuar a guerra econômica contra a sociedade venezuelana”.

“É lamentável que o Sr. Almagro reanime as páginas mais sombrias da história intervencionista e golpista da OEA, mediante a imposição de mecanismos que violam de forma flagrante o ordenamento legal e constitucional da Venezuela e a Carta da OEA, seus princípios fundamentais e as normas rigorosas que regulam sua atuação”, declarou o Ministério das Relações Exteriores, que ressaltou que o governo “tomará as ações que correspondem” diante dos "ataques" da organização.

Agência Efe

Delcy Rodríguez: secretário-geral da OEA é o "líder contra o diálogo" na Venezuela, afirmou chanceler.

Cuba nega entrada de Almagro no país e acusa secretário-geral da OEA por 'ataques contra governos progressistas'

Venezuela vence ExxonMobil em demanda contra nacionalização de hidrocarbonetos

Venezuela critica declarações 'insolentes' de novo chanceler brasileiro Aloysio Nunes

 

No relatório publicado nesta terça, Almagro diz que, para evitar a suspensão venezuelana e "retomar o rumo institucional" no país, eleições gerais devem ser convocadas nos próximos 30 dias, além de outras condições. No documento de 75 páginas, o secretário-geral exige "a libertação dos presos políticos, a validação das leis que foram canceladas, assim como a eleição de um novo Conselho Nacional Eleitoral e um novo Tribunal Supremo de Justiça conforme os procedimentos estabelecidos na Constituição".

Para justificar o pedido de suspender a Venezuela caso esses passos não ocorram, Almagro lembrou que o artigo 20 da Carta, o que invocou em maio do ano passado, estipula que, se fracassarem as gestões diplomáticas ou perante um caso de urgência, o Conselho Permanente pode convocar imediatamente uma Assembleia Geral Extraordinária.

Além disso, o artigo 21 indica que se a Assembleia, o principal órgão da OEA com os chanceleres dos 34 países, constatar que houve "a ruptura da ordem democrática em um Estado-membro e que as gestões diplomáticas foram infrutíferas", o país pode ser suspenso de participar da OEA. Para isso, são necessários dois terços dos 34 países que formam a OEA e a suspensão entraria em vigor imediatamente.

Organizações de direitos humanos acusam OEA de violação de soberania nacional e pedem diálogo

Mais de 300 organizações de direitos humanos nacionais e internacionais entregaram um relatório nesta terça-feira ao Conselho Permanente da OEA, em que alertam sobre a intenção de setores da direita de solicitar a aplicação da Carta Democrática Interamericana, como um instrumento para “promover ações ingerencistas e de violação da soberania nacional”.

Após a entrega do documento na sede da OEA em Caracas, a representante da Fundação Latino-Americana para os Direitos Humanos e o Desenvolvimento Social, Virginia King, informou que as assinaturas foram coletadas em pouco tempo,"devido ao nível de credibilidade que temos e o nível de avidez que tem o povo venezuelano para que cessem as ameaças, de que se respeite de uma vez por todas a independência de nosso país, a autodeterminação de nosso país", afirmou.

Ela explicou que as organizações defensoras dos direitos humanos do Brasil, Argentina, Peru, Colômbia e Uruguai, entre outras nações da América Latina, também solicitam que a OEA apoie o diálogo entre todos os setores políticos da Venezuela.

A carta, dirigida ao embaixador Patrick Andrews, presidente do Conselho Permanente da OEA, alerta sobre a manipulação destes setores sobre temas importantes para o país, como o diálogo nacional, apoiado pelo papa Francisco, a Unasul (União de Nações Sul-Americanas) e os ex-presidentes Martín Torrijos, do Panamá; Leonel Fernández, da República Dominicana; e José Luis Zapatero, da Espanha.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

China mantém crescimento acima da meta anual

Expansão de 6,8% da segunda maior economia do mundo no terceiro trimestre fica ligeiramente abaixo da alta no restante do ano; presidente afirma que perspectivas são "brilhantes", mas que país enfrenta "sérios desafios"