Alemanha celebra 'vitória para a Europa'

Deutsche Welle
Vice de Merkel afirma que possível resultado eleitoral na Holanda é um bom sinal. Chanceler federal alemã liga para premiê holandês para parabenizá-lo. Eleição era tida como termômetro do populismo de direita na Europa

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Após as pesquisas de boca de urna indicarem que os holandeses frearam o populismo de direita nas eleições legislativas, o vice-chanceler federal da Alemanha e ministro do Exterior, Sigmar Gabriel, classificou nesta quarta-feira (15/03) o possível resultado como "uma vitória para a Europa".


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo as sondagens divulgadas com o fechamento das urnas, o Partido Popular para a Liberdade e Democracia (VVD), do primeiro-ministro Mark Rutte, terá o maior número de cadeiras no Parlamento da Holanda. A legenda ficaria à frente dos populistas de direita, com 12 cadeiras a mais.

"É um bom sinal que um candidato de extrema direita como Geert Wilders não tenha ficado à frente nas eleições", afirmou Gabriel durante um evento do Partido Social-Democrata (SPD). O vice de Angela Merkel disse ainda que está otimista em relação a uma derrota da candidata da extrema direita Marine Le Pen nas eleições à presidência da França.

O porta-voz da chanceler federal, Steffen Seibert, afirmou que Merkel telefonou para Rutte para parabenizá-lo. A líder alemã teria expressado a alegria de poder continuar o trabalho em conjunto com o premiê do país vizinho.

As eleições holandesas foram acompanhadas com atenção na Europa – como um teste do sentimento nacionalista e do crescente populismo em ano de eleições igualmente importantes na França e na Alemanha, maiores economias da União Europeia.

Reuters/D. Martinez

Holandeses foram às urnas escolher novo Parlamento

Extrema-direita europeia testa força eleitoral na Holanda nesta semana

Turquia ameaça impor sanções à Holanda e diz que vai levar crise diplomática à Corte Europeia de Direitos Humanos

Boca de urna indica vitória de governistas na Holanda; extrema-direita fica em segundo com outros dois partidos

 

A França escolhe seu próximo presidente em abril, e a populista de direita Marine Le Pen deve estar no segundo turno, marcado para maio. Em setembro, vão às urnas os alemães, e o partido eurocético Alternativa para a Alemanha, que atacou a política migratória de Merkel, pode conquistar suas primeiras cadeiras no Parlamento.

Vitória da Holanda

O candidato do SPD à chancelaria federal, Martin Schulz, também comemorou o provável resultado das eleições holandesas. "É uma ótima notícia para a Europa e para a Holanda", diz o ex-presidente do Parlamento Europeu, que estava no evento do partido junto com Gabriel.

Schulz afirmou ainda que o resultado revela que a maioria dos holandeses recusou "a demagogia de Wilders e seu posicionamento inexprimível contra outros grupos étnicos".

O chefe de gabinete da chancelaria alemã, Peter Altmaier, parabenizou os holandeses pelo resultado. "Holanda, oh Holanda, você é uma campeã", publicou em sua conta no Twitter.

Os presidentes da União Social Cristã (CSU), legenda irmã do partido de Merkel, Horst Seehofer, e do Partido Liberal Democrático (FDP), Christian Lindner, também comemoraram o resultado.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo