Grupo independentista basco ETA anuncia 'desarmamento total' até 8 de abril

Entrega de arsenal ocorrerá até véspera do Aberri Eguna, Dia da Pátria Basca; governo espanhol diz que recebeu notícia com 'cautela e prudência' e 'fará o que sempre fez, aplicar a lei'

A organização independentista ETA (Euskadi Ta Askatasuna), que defende a independência do País Basco, pretende concluir até o dia 8 de abril a entrega do "arsenal total" que o grupo ainda mantém, informou nesta sexta-feira (17/03) o jornal francês Le Monde. O desarmamento ocorrerá na véspera do Aberri Eguna, o Dia da Pátria Basca.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"O ETA nos confiou a responsabilidade do desarmamento de seu arsenal e, na noite de 8 de abril, o ETA estará totalmente desarmado", disse ao jornal o dirigente do movimento ambientalista e social "Bizi!" Jean-Noël Etcheverry, "Txetx". Etcheverry foi detido com outros quatro representantes do movimento ambientalista e social em 16 de dezembro na cidade basco-francesa de Louhossoa, junto a um depósito de armas do ETA, que, segundo eles, pretendiam inutilizar, mas não destruir.

De acordo com a publicação francesa, "centenas de pessoas da sociedade civil e vários funcionários públicos da região" participarão dessa operação de desarmamento, que teria "um alcance inédito".

No entanto, o jornal indicou que falta conseguir "o compromisso das autoridades francesas para que estas se responsabilizem pelas armas restituídas sob o olhar dos observadores internacionais", condições que "ainda não aconteceram".

Em Louhossoa, foram encontradas duas granadas, 29 armas curtas, nove fuzis de assalto, 12 metralhadoras, mais de 3 mil munições, grande quantidade de explosivos, material para a fabricação dos mesmos, detonadores e temporizadores o que, segundo a organização, correspondia a 15% de seu arsenal.

Wikicommons

Grupo independentista ETA anunciou desarmamento total até 8 de abril

Ex-presidente da Catalunha é condenado a dois anos sem exercer cargo público por promover referendo separatista

OCDE: Espanha mantém crescimento do PIB, mas vê pobreza aumentar por falta de empregos de qualidade

Um milhão de espanhóis emigraram desde começo de crise econômica, apontam dados oficiais

 

Rajoy diz que governo “fará o que sempre fez, aplicar a lei”

O presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, afirmou após o anúncio do desarmamento do ETA que o governo “fará o que sempre fez, aplicar a lei, que é igual para todos”. Rajoy também pediu a dissolução do grupo, que em 2011 anunciou o fim definitivo de ações violentas.

O governo espanhol recebeu "com cautela e prudência" o anúcio, e explicou que a posição do Executivo não mudou "nem um centímetro" desde dezembro de 2011, quando começou o governo do atual presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy, afirmou o porta-voz Íñigo Méndez de Vigo.

O também ministro da Educação disse que o governo não especula "sobre vontades e desejos de organizações terroristas", menos ainda quando só se conhecem "informações vazadas", sem que haja fatos concretos.

Por sua vez, o líder independentista basco Arnaldo Otegi considerou uma "boa notícia" o anúncio de desarmamento definitivo da ETA, o que, segundo assegurou, outorga "total credibilidade" e espera que se realize "até o final" e com o envolvimento dos governos regionais do País Basco e Navarra (norte da Espanha).

Otegi reconheceu que não espera "grande coisa" dos governos espanhol e francês, mas que quer pensar que "não porão obstáculos acrescentados a um acontecimento histórico". O líder independentista basco fez uma chamada para que "todos estejam à altura e coloquem os interesses do país à frente dos pessoais e partidários".

A presidente da Comunidade de Madri, Cristina Cifuentes, também afirmou que caso o desarmamento ocoresse seria “uma magnífica notícia para a democracia e para a Espanha depois de tanto sofrimento causado ao longo de tantos anos, com tantas vítimas”.

 

(*) Com Agência Efe



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas