Palestina critica decisão de Guterres de retirar relatório que acusa Israel de 'apartheid' do site da ONU

Segundo porta-voz do secretário-geral das Nações Unidas, 'não se trata de conteúdo, se trata de processo'; Guterrez diz que não foi consultado sobre autorização para publicar documento

Dirigentes palestinos protestaram neste sábado (18/03) contra a decisão do secretário-geral da ONU, António Guterres, de retirar do site da organização um relatório que acusava Israel de "apartheid", o que provocou nesta sexta-feira a renúncia de uma alta funcionária de nacionalidade jordaniana.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em comunicado, o Ministério palestino das Relações Exteriores indica que seu titular, Riyad al-Maliki, "expressa sua profunda repulsa pelo fato de a secretária executiva da Comissão Econômica e Social para a Ásia Ocidental da ONU, Rima Khalaf, ter que renunciar por conta de pressões para que o relatório fosse retirado".

Khalaf é a principal responsável da comissão da ONU que esta semana publicou um relatório que acusava Israel de "apartheid" contra os palestinos, o que gerou um atrito com o secretário-geral, já que sua publicação não tinha sido coordenada com Nova York.

O porta-voz de Guterres, Stéphane Dujarric, disse na sexta-feira (17/03) que a renúncia tinha sido aceita e confirmou que houve um pedido para que o relatório fosse retirado do site das Nações Unidas.

"Não se trata do conteúdo, se trata do processo. O secretário-geral não pode aceitar que (...) um alto funcionário da ONU que responde a ele autorize uma publicação sob o nome e o logotipo das Nações Unidas sem consultá-lo", disse o porta-voz.

Para al-Maliki, o relatório "examinava as políticas e práticas discriminatórias de Israel" e foi preparado por especialistas legais e acadêmicos de renome. O relatório "apresenta uma análise objetiva dos fatos, chegando a uma conclusão exata baseada na definição legal do crime de apartheid", destaca o comunicado palestino.

Wikicommons

António Guterres, secretário-geral da ONU, pediu que relatório sobre Israel fosse retirado do site das Nações Unidas

Abbas defende solução de dois Estados para conflito no Oriente Médio, mas diz que quer negociar com Trump

Parlamentares brasileiros viajam para Israel a convite de organizações sionistas

Nações islâmicas denunciam 'institucionalização de islamofobia' com ascensão de extrema-direita no mundo

 

O presidente da ANP (Autoridade Nacional Palestina) Mahmoud Abbas, ligou para Rima Khalaf para agradecer pelo gesto da renúncia e comunicou que lhe concederá a mais alta distinção palestina em reconhecimento a sua coragem e apoio ao povo palestino, informou a agência oficial palestina, Wafa.

"O presidente disse a Khalaf que nosso povo aprecia sua posição humanitária, com a qual se negou a encobrir os crimes cometidos contra o povo palestino pelas autoridades de ocupação israelenses", indicou a agência.

A política palestina Hanan Ashrawi também criticou, em comunicado separado datado em Nova York, a decisão de retirar um relatório que reflete que "Israel é culpado de políticas e práticas que constituem um crime de apartheid, como é definido nos instrumentos do direito internacional".

"Ao invés de sucumbir à chantagem política, ou deixar-se censurar ou intimidar por terceiras partes, a ONU deveria condenar os fatos descritos no relatório e responsabilizar Israel", ressalta Ashrawi.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

O centro do atraso

Com o fim do programa De Braços Abertos e a ofensiva na cracolândia, mais uma vez a população mais carente sofrerá as consequências dessa atitude irresponsável e midiática do prefeito que parece viver num reality show permanente