Procuradora-geral da Argentina considera ilegal e arbitrária prisão de líder comunitária Milagro Sala

Ativista e membro do Parlasul, Milagro Sala está presa preventivamente desde janeiro de 2016; Corte Suprema argentina irá considerar parecer de procuradora-geral em recurso da defesa

A procuradora-geral da Argentina, Alejandra Gils Carbó, declarou nesta quarta-feira (05/05) que a prisão preventiva da ativista indígena e líder comunitária Milagro Sala, detida desde janeiro de 2016, é ilegal, arbitrária e deve ser revogada.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Carbó apresentou dois pareceres à Corte Suprema de Justiça argentina sobre recursos da defesa da líder da organização Tupac Amaru e membro do Parlasul, o Parlamento do Mercosul.

No primeiro parecer, a procuradora-geral considerou “arbitrária” a sentença do Supremo Tribunal de Jujuy, província no noroeste do país, que determinou a prisão preventiva de Sala por suposto envolvimento em esquemas de corrupção na região após ela ter sido detida em 16 de janeiro de 2016 por liderar protestos contra o governador Gerardo Morales, aliado do presidente Mauricio Macri.

Para Carbó, o tribunal provincial acatou a hipótese de que a ativista poderia atrapalhar as investigações “a partir de certas denúncias e testemunhos que não têm vinculação com a existência deste risco processual”.

Agência Efe

Milagro Sala durante depoimento em dezembro de 2016; prisão de líder comunitária é ilegal e deve ser revogada, diz procuradora-geral argentina

Milhares de professores voltam às ruas de Buenos Aires em defesa da educação pública argentina

Argentinos saem às ruas para lembrar vítimas de ditadura militar e denunciar retrocessos em direitos humanos

Argentina libera uso medicinal de maconha

 

O segundo parecer alegou que, como membro do Parlasul, Milagro Sala goza de imunidade parlamentar à prisão, “outorgada com o objetivo de garantir o desempenho da função encomendada pela soberania popular”. Por isso, a prisão da ativista é “ilegal” e “deve ser deixada sem efeito”, considerou a procuradora-geral.

A Corte Suprema argentina havia pedido a opinião de Carbó antes de se pronunciar sobre os recursos da defesa de Milagro Sala que pedem a libertação da ativista. A procuradora-geral também citou um pronunciamento do Grupo de Trabalho sobre Detenções Arbitrárias da ONU, que em outubro de 2016 considerou “arbitrária” a prisão da parlamentar do Mercosul e pediu sua libertação.

Além deste grupo da ONU, o Comitê contra Discriminação Racial das Nações Unidas, a Comissão de Direitos Humanos da OEA (Organização dos Estados Americanos) e o líder da organização interamericana, Luis Almagro, também pediram a libertação da líder indígena ao longo de 2016.

Milagro Sala é considerada presa política por diversas organizações sociais e ativistas argentinos e estrangeiros, que movem uma campanha internacional por sua libertação. O governo Macri e as autoridades da província de Jujuy alegam que quem advoga pela liberdade de Sala desconhece as acusações que lhe são imputadas e que a liberdade da parlamentar do Mercosul está nas mãos da Justiça argentina.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Meu primeiro festival pornô

No PopPorn, festival de pornografia alternativa que acontece todos os anos em São Paulo desde 2010, repórter aprende sobre shibari e BSDM, acompanha performances sexuais e aprende como fazer seu próprio pornô