Esquerda europeia condena ataque dos Estados Unidos à Síria; veja repercussão

Die Linke, Podemos, Bloco de Esquerda, Rifunzadione Comunista, Partido da Esquerda Europeia, Trabalhistas e o francês Jean-Luc Melénchon se pronunciaram sobre o ataque com mísseis ao território sírio

Os principais partidos de esquerda da Europa condenaram nesta sexta-feira (07/04) o ataque ordenado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ao território sírio, após um suposto bombardeio com armas químicas que teria acontecido em uma cidade no interior do país do Oriente Médio.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O partido alemão Die Linke (“A Esquerda”) disse, em nota, que a escalação militar dos EUA deve ser “imediatamente” interrompida. “O ataque com mísseis dos EUA, que vai contra o direito internacional, afasta a Síria de uma solução pacífica e deixa o Estado Islâmico em júbilo”, afirmaram os líderes da agremiação, Sahra Wagenknecht e Dietmar Bartsch.

O líder francês Jean-Luc Melénchon, candidato à presidência do país, também se mostrou contrário ao ataque dos EUA, e jogou a culpa no atual presidente, François Hollande, e na chanceler alemã, Angela Merkel. “Hollande e Merkel possuem total responsabilidade por dar a Trump o poder solitário de acertar quem ele quiser, quando ele quiser”, disse, no Twitter.

A declaração de Melénchon veio depois de Merkel e Hollande acusarem o presidente sírio, Bashar al Assad, de carregar “sozinho a responsabilidade pelo “massacre com armas químicas do dia 4 de abril” em Khan Sheikhoun. "Alemanha e França pedem para a comunidade internacional que respaldem a resolução 2254 do Conselho de Segurança da ONU e o comunicado de Genebra", afirmam os dois mandatários.

Bombardeio dos EUA estava planejado antes de suposto ataque químico na Síria, diz Rússia

Ao bombardear a Síria, Trump ameaça a humanidade

Irã condena 'firmemente' bombardeio dos EUA contra Síria

 

O líder do Partido Trabalhista do Reino Unido, Jeremy Corbyn, afirmou que o ataque corre o risco de “escalar ainda mais” a guerra na Síria. “Os horrendos ataques químicos de terça foram um crime de guerra, que requer uma investigação independente urgente da ONU, e os responsáveis devem ser responsabilizados. Mas uma ação militar unilateral, sem autorização legal ou verificação independente arrisca intensificar um conflito de múltiplos lados, que já matou centenas de milhares de pessoas”, disse.

O partido Podemos, da Espanha, disse que o ataque – “sem autorização do Conselho de Segurança” – “só contribui para alimentar a espiral de violência na Síria”. “Devemos propiciar um marco de negociações para impulsionar uma saída do conflito de forma pacífica. Os aviões, de onde os ataques se realizaram, têm sua base em Rota [na Espanha]. É inaceitável que se usem bases militares situadas no território espanhol para levar a cabo ataques que violam a legalidade internacional”, afirmou.

O deputado português Pedro Filipe Soares, do Bloco de Esquerda, fez um pronunciamento no Parlamento em que prestou solidariedade às vítimas do conflito na Síria, que já dura seis anos.

“O Bloco de Esquerda condena frontalmente o ataque com armas químicas contra os civis sírios nesta semana. Condenamos também, com a mesma frontalidade, com a mesma veemência, a escalada da guerra a que estamos a assistir, no qual está indiretamente este ataque feito pelas tropas norte-americanas. Entre Bashar al-Assad, Putin e Trump, não há inocentes. Os inocentes são os civis que têm morrido numa guerra, esta sim, ignóbil, e que nós desde a primeira hora, condenamos, já por várias vezes, aqui nesta Assembleia da República. E por isso, senhor presidente, senhores e senhoras deputados, toda nossa solidariedade para com o povo sírio, um apelo forte para a paz e a defesa dos direitos dos civis, entre eles, as crianças sírias. E um pedido, que é exigência mínima a todos que defendem os direitos humanos, é de que não tivéssemos na Síria uma nova escalada do armamento, uma nova escalada da guerra à escala mundial”, afirmou.

Agência Efe

Jean-Luc Melénchon, candidato à Presidência da França, foi um dos que criticou o ataque dos EUA à Síria

O secretário-geral do Rifunzadione Comunista, da Itália, Maurizio Acerbo, chamou os mísseis dos Estados Unidos de “terrorismo internacional”. “É muito claro, desde o início, que os setores mais imperialistas norte-americanos e seus aliados não trabalharam para favorecer uma transição democrática e uma pacificação, mas sim para derrubar um regime, dissolver um Estado soberano, transformá-lo em outro Estado falido, como são definidos com linguagem cínica Líbia, Somália e Iraque”, disse.

Por sua vez, o Partido da Esquerda Europeia lançou uma nota, assinada pelo presidente da agremiação, o alemão Gregor Gysi, dizendo que o conflito na Síria só pode terminar com “uma diplomacia muito inteligente”.

“O ataque prévio, com gás venenoso, foi um crime de guerra severo, mas deveria ter sido antes investigado quem é o responsável por ele. Como pode ser legítimo bombardear antes de se investigar? Ainda mais que não parece lógico que Assad ordenaria um ataque do tipo, pois ele está tendo sucesso militar no momento contra o Estado Islâmico e outros. Por que ele estaria interessado em uma escalação [do conflito], especialmente nesta hora?”, afirmou.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias