Evo Morales diz que ataque dos EUA à Síria 'ameaça segurança internacional e paz mundial'

Venezuela também divulgou nota condenando ataque norte-americano em território sírio; governos de Argentina, Chile, Colômbia, México, Paraguai, Peru e Uruguai manifestaram preocupação com escalada de violência

O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou pelo Twitter nesta sexta-feira (07/04) que o ataque dos Estados Unidos, realizado na quinta-feira (06/04) em represália ao suposto bombardeio com armas químicas em uma cidade do interior da Síria, é uma “ameaça à segurança internacional e à paz mundial.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“Esta ação ameaça a segurança internacional e a paz mundial. As ações unilaterais são ações imperiais. Aos EUA não interessa o direito internacional, deixa de lado a ONU quando convém. Não partilho de países que dizem defender a democracia, a paz e a institucionalidade e que, agora, apoiam a intervenção militar unilateral”, disse o presidente da Bolíva. O país atualmente integra o Conselho de Segurança da ONU, com mandato para o biênio 2017-2018, e foi quem solicitou a reunião que debate o ataque dos Estados Unidos à Síria nesta sexta-feira. 

“Penso e sinto, espero não estar equivocado, que as armas químicas na Síria são uma desculpa para uma intervenção militar. O ataque dos EUA contra a Síria é uma ação que viola os princípios da Carta das Nações Unidas. Problemas internos de países se resolvem com diálogo, não com bombardeios”, afirmou.

O governo da Venezuela, em nota, também condenou a ação. “Preocupa profundamente que fatores imperiais justifiquem e legitimem intervenções militares ao governo sírio, endossando ações de grupos terroristas e extremistas, mediante falsos positivos. Este ataque permitiu, além do mais, a recomposição logística dos grupos terroristas, que seguidamente atacaram o exército nacional sírio”, diz a nota.

Ao bombardear a Síria, Trump ameaça a humanidade

Irã condena 'firmemente' bombardeio dos EUA contra Síria

Esquerda europeia condena ataque dos Estados Unidos à Síria; veja repercussão

 

Jose Lirauze/ABI

Evo Morales condenou o ataque dos EUA à Síria

“O ataque estadunidense à República Árabe Síria constitui uma agressão à soberania deste país e violenta os princípios e propósitos da Carta da ONU, tais como o princípio de integridade territorial, de autodeterminação dos povos, de não ingerência nos assuntos internos dos Estados e de igualdade soberana”, conclui.

Comunicado conjunto

Os governos de Argentina, Chile, Colômbia, México, Paraguai, Peru e Uruguai manifestaram nesta sexta, em comunicado conjunto, sua profunda preocupação com a escalada da violência na Síria, e condenaram energicamente o uso de armas químicas contra a população civil, em particular crianças.

O documento divulgado pela diplomacia peruana em Lima afirma que "o uso de armas químicas é um crime contra a humanidade e um crime de guerra, proscrito pelos tratados internacionais, entre eles a Convenção das Nações Unidas sobre a Proibição do Desenvolvimento, da Produção, do Armazenamento e do Uso de Armas Químicas e sobre sua destruição".

Os países ressaltaram na nota que as ações para prevenir "essas atrocidades" devem ser respaldadas por toda a comunidade internacional, conforme as normas do direito internacional e os princípios da Carta das Nações Unidas.

Os países fizeram uma convocação a todas as partes envolvidas, incluindo os atores com influência na região, "para exercer maior prudência a fim de evitar uma escalada das tensões e para encontrar uma solução política à situação dramática e muito complexa na Síria, sob o auspício das Nações Unidas".

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias