Aula Pública com Marco Piva: Qual o legado da luta armada na América Latina?

A partir do exemplo da Revolução Sandinista, jornalista discute como antigas estruturas foram transformadas na Nicarágua; assista

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, jornalista Marco Piva explica como a Revolução Sandinista influenciou a América Latina


Diante da impossibilidade do exercício democrático, jovens e setores populares da Nicarágua decidiram por uma opção combativa: a luta armada. Com a criação da Frente Sandinista de Libertação Nacional, o movimento conseguiu aglutinar um sentimento popular por mudanças sociais até alcançar a vitória, em julho de 1979.

O processo deve ser entendido como uma verdadeira revolução. Este termo implica, para além da opção pelas armas, a transformação de antigas estruturas em favor do povo e da democracia. Esta análise, de Marco Piva, jornalista e mestre pelo Prolam-USP, foi um dos temas tratados na Aula Pública Opera Mundi sobre O Legado da Luta Armada na América Latina.  


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"A palavra revolução tem um significado importante. Ela representa [o momento em que] se desfaz uma estrutura antiga para criar uma nova, dentro dos poderes Judiciário, Executivo e Legislativo. Para chegar à vitória, um caminho muito difícil foi percorrido na Nicarágua. Frente a uma ditadura e à forte repressão, a mobilização foi um dos grandes desafios enfrentados pelos revolucionários. Mas, sem dúvida, o grande legado da Revolução Sandinista é o respeito ao jogo democrático e às instituições", afirma Piva.

Clique aqui para assistir a todos os episódios da Aula Pública Opera Mundi

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Marco Piva: qual o legado da luta armada na América Latina?

Morre aos 74 anos o ex-presidente haitiano René Préval, um dos políticos mais influentes do país

Organizações sociais pedem justiça por assassinato de ativista hondurenha Berta Cáceres

Cuba finaliza construção do primeiro hotel de luxo de categoria cinco estrelas plus do país; veja fotos

 

No segundo bloco, Marco Piva responde perguntas do público da Universidade Metodista, em São Bernardo do Campo



Sobre o atual contexto sociopolítico da América Latina, com vitórias significativas da direita, Marco Piva relembra como a Revolução Sandinista se reorganizou após uma derrota marcante nas eleições de 1990.

"Depois de todo o processo de reconstrução nacional, aconteceu o que ninguém esperava no ano de 1990: A Frente Sandinista de Libertação Nacional perdeu a eleição para a oposição  que defendia um novo alinhamento com os EUA. Depois de tantos anos de luta armada, tiveram que lidar com a vitória de opositores e se reorganizar, respeitando a democracia e o processo eleitoral. E, anos depois, em 2006, o Daniel Ortega voltou a se eleger presidente, cargo que ocupa até os dias atuais. Isso mostra uma dinâmica da história: nada é definitivo. A derrota de hoje, que muitas pessoas lamentam, não significa uma derrota para sempre. Se eu tivesse que fazer um prognóstico sobre o momento atual, diria: a luta continua", conclui Piva.

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Olhar crítico desde a esquerda: a economia

Desafio estratégico para superar a condição de exportadores de commodities requer um processo de industrialização especializada para as exportações que permita dar o salto ao desenvolvimento produtivo e à independência econômica