Terroristas planejam usar armas químicas na Síria para poder culpar Assad de novo, diz Putin

"Temos informações de diferentes fontes de que similares provocações, e não as posso chamar de outra forma, são preparadas em outras regiões da Síria, incluído arredores de Damasco", disse

O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou nesta terça-feira (11/04) que Moscou tem informações de que estão sendo preparadas novas "provocações" relacionadas aos supostos ataques químicos na Síria para culpar o governo de Bashar al-Assad, usando substâncias tóxicas.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Temos informações de diferentes fontes de que similares provocações, e não as posso chamar de outra forma, são preparadas em outras regiões da Síria, incluído os arredores ao sul de Damasco", disse, após se reunir com o presidente italiano, Sergio Mattarella. "Eles querem fazer uso de algum tipo de substância e culpar as autoridades sírias.”

O chefe da Direção Principal de Operações do Estado-Maior russo, coronel-general Sergei Rudskoy, complementou as informações de Putin e afirmou que o serviço de inteligência do país monitora grupos terroristas envolvidos no conflito da Síria. Eles estariam transportando substâncias tóxicas às regiões de Khan Shaykhun (local do suposto ataque com armas químicas na última semana), Jirah, Ghouta oriental e para o oeste de Aleppo.

Agência Efe

Putin disse que novas "provocações" estão sendo preparadas por terroristas contra a Síria

Rússia e Irã reiteram apoio à Síria e dizem estar 'prontos para responder a qualquer agressão'

G7 rejeita proposta britânica e desiste de aplicar sanções à Rússia por apoio a presidente sírio

23 fatos sobre o ataque à Siria: até agora, EUA e Rússia se pautam pela 'racionalidade'

 

Putin manifestou a vontade de que as Nações Unidas se envolvam na apuração do suposto ataque, dizendo todos os incidentes com uso de armas químicas devem ser investigados e, só a partir do resultado da investigação, tomar-se uma ação. "Temos intenção de nos dirigirmos oficialmente às correspondentes estruturas da ONU em Haia e pedir que a comunidade internacional investigue minuciosamente esses casos", disse.

O presidente russo disse que a situação criada após o suposto ataque químico na Síria lembra a invasão do Iraque em 2003, "quando os representantes dos EUA no Conselho de Segurança mostraram as supostas armas nucleares achadas no Iraque". "Depois disso, começou a campanha no Iraque, a militar, o que terminou com a destruição do país, um aumento da ameaça terrorista e o surgimento do Estado Islâmico na cena internacional", apontou.

Putin, que qualificou na sexta-feira de "agressão" o ataque perpetrado pelos EUA contra um aeroporto sírio na província de Homs, não deve se reunir hoje com o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, segundo o Kremlin. O responsável pela diplomacia dos EUA deve se encontrar somente com seu homólogo russo, Sergei Lavrov, como inicialmente previsto.

Tillerson, que se propõe pressionar o Kremlin para que retire seu apoio a Damasco, acusou a Rússia de ser responsável "moral" pela morte de perto de cem pessoas. Na opinião de Washington, a Rússia descumpriu sua parte no acordo de eliminação de armas químicas na Síria, que evitou em 2013 uma invasão norte-americana e que foi fixado por Putin e Assad.

(*) Com Efe e Sputnik



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas