Ataque suicida deixa ao menos 5 mortos no Palácio Presidencial do Afeganistão; EI reivindica autoria

Detonação ocorreu por volta das 16h local (8h30 em Brasília) em uma zona de alta segurança do centro da capital afegã, palco em setembro de um duplo atentado que causou a morte de 26 pessoas, entre eles dois generais

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) reivindicou nesta quarta-feira (12/04), por meio da agência de notícias Amaq, o atentado suicida de hoje contra o Palácio Presidencial de Cabul, que deixou pelo menos cinco civis mortos, segundo fontes oficiais afegãs.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Um breve comunicado divulgado na internet pela agência filiada aos extremistas informou sobre um ataque suicida perpetrado com um cinturão de explosivos contra o "posto de controle" junto ao edifício.

A detonação ocorreu por volta das 16h local (8h30 em Brasília) em uma zona de alta segurança do centro da capital afegã, palco em setembro de um duplo atentado que causou a morte de 26 pessoas, entre eles dois generais. O ataque de hoje aconteceu a poucos metros do escritório de Assuntos Administrativos da Presidência, que está localizado a 400 metros do Ministério de Defesa afegão.

Vários atentados atingiram Cabul neste ano, o último de grande magnitude no começo de março, quando um grupo de suicidas, presumivelmente membros do EI, atacou o principal hospital militar da cidade, deixando 35 mortos e 53 feridos. 

Wikimedia Commons

Atentado suicida deixou cinco mortos em frente ao Palácio Presidencial do Afeganistão

Explosão em metrô de São Petersburgo deixa pelo menos 10 mortos; autoridades falam em terrorismo

Premiê russo classifica como 'ataque terrorista' explosão que deixou 10 mortos em São Petersburgo

Explosões em duas igrejas deixam mais de 30 mortos no Egito; EI reivindica ataques

 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

STJ rejeita censura e libera site 'Falha de S.Paulo'

Site fazia paródias do jornal Folha de S.Paulo e está fora do ar desde 2010, quando o processo começou; colegiado entendeu que a proibição, pedida pela Folha, era uma tentativa de censura e fere a irreverência do direito ao entretenimento

 

Brasil, um pária das Relações Internacionais

Angela Merkel, chanceler alemã, é uma das líderes internacionais que visitou América do Sul nos últimos meses sem sequer fazer uma escala em Brasília; no cenário internacional, o 'fora Temer' sempre foi uma realidade