Países da Alba afirmam que OEA tem atitude 'ilegal, pró-imperialista e de interferência' com Venezuela

"Criticamos as agressões e manipulações contra a Venezuela assim como os enganos e mentiras que ameaçam sua soberania, independência e estabilidade", afirma nota oficial divulgada no final do encontro, em Havana

A Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (Alba) decidiu apresentar seu apoio à Venezuela e ao governo do presidente Nicolás Maduro em relação ao modo como o país e seu mandatário estão lidando com a atitude "de interferência, ilegal e pró-imperialista" da Organização dos Estados Americanos (OEA).


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em reunião extraordinária em Havana, que começou na última segunda-feira (10/04), mas que teve fim nesta terça (11/04), o grupo criticou o posicionamento do presidente da OEA, Luís Almagro, que pede a soltura dos presos políticos de oposição na Venezuela, novas eleições e que ameaça a suspensão da nação do bloco caso essas medidas não forem adotadas.

O grupo é formado por Venezuela, Antígua e Barbuda, Bolívia, Cuba, Dominica, Equador, Granada, Nicarágua, São Cristóvão e Névis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas e Suriname.

"Criticamos as agressões e manipulações contra a Venezuela assim como os enganos e mentiras que ameaçam sua soberania, independência e estabilidade", afirma nota oficial divulgada no final do encontro, que reuniu os líderes dos Estados-membros, como Maduro e o presidente de Cuba, Raúl Castro.

Agência Efe

Maduro e Raúl, após reunião da Alba que divulgou nota em defesa da Venezuela

OEA 'violentou' normas para decidir contra Venezuela, diz chanceler do país

Parlamento da Venezuela aprova proposta para remover juízes do Supremo

Evo Morales diz que ataque dos EUA à Síria 'ameaça segurança internacional e paz mundial'

 

Nas declarações finais, os países da Alba também disseram reconhecer os esforços realizados pelo mandatário venezuelano para "impulsionar um diálogo nacional e resolver diferenças" e pela população da nação sul-americana "de conduzir um diálogo amplo, inclusivo e construtivo".

"Repudiamos as tentativas de atacar a Venezuela sob falsas acusações de supostas ameaças à paz e à estabilidade e sob critérios politizados e tendenciosos, os discursos e práticas de interferência que no passado levaram a agressões, a ocupações militares e a cruéis ditaduras", disse o ministro de Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, ao ler a declaração.

Com o apoio da Alba, Maduro realizou seu discurso de quase 2 horas de duração, no qual afirmou que a OEA está marcada pela "dor, pela morte, e pelo sangue de invasões e golpes de Estado". "Em 69 anos, a história da OEA é a história do maior mormaço de subordinação das oligarquias locais de nossos países aos interesses imperiais", disse o presidente venezuelano em Cuba. 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP

XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP
Este ano, o evento traz à tona discussões que têm pautado o cenário internacional contemporâneo. Os debates tentam construir o diálogo com assuntos específicos que se entrelaçam por diversas áreas e circunscrevem a globalização. Serão abordadas: políticas migratórias; política externa brasileira; conflito e defesa - segurança privada; saúde pública no âmbito internacional: a questão da fome para além do conflito; futuro dos Acordos Preferenciais de comércio, frente a saída dos EUA dos TPP; entre outras questões. 
 
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias