Trump diz que Otan 'não é mais obsoleta'

Deutsche Welle
Após criticar duramente a aliança militar do Atlântico Norte durante a campanha eleitoral, presidente dos EUA exalta a cooperação internacional, mas ressalva que Otan deve "se adaptar aos novos tempos"

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, parece ter mudado radicalmente de opinião sobre a Organização do Tratado do Atlântico Norte, ao afirmar nesta quarta-feira (12/04) que a aliança militar do Atlântico Norte "não é mais obsoleta", contrariando as duras críticas emitidas durante a campanha eleitoral.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Eu me queixei sobre isso faz tempo. Disse que ela era obsoleta. Não é mais obsoleta", disse o chefe de Estado republicano à imprensa, na Casa Branca, após reunir-se com o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg.

Trump disse que o encontro com Stoltenberg foi produtivo e que a Otan decidiu "fazer mais na luta contra o terrorismo ". Ele voltou a insistir que os membros da aliança aumentem seus gastos com defesa até o teto estipulado de 2% dos respectivos Produtos Internos Brutos (PIB).

Segundo o americano, cada geração deve encontrar meios de adaptar a Otan aos novos tempos: "Não devemos ficar presos ao raciocínio cansado que muitos têm, mas sim aplicar novas soluções para encarar novas circunstâncias em todo o mundo."

Agência Efe

Jens Stoltenberg, secretário-geral da Otan (esq.), se encontrou com Trump na Casa Branca

EUA reúnem crianças imigrantes com familiares

Milhares protestam em Londres por novo voto sobre Brexit

Vaticano condena ex-núncio por divulgar pornografia infantil

 

Para o secretário-geral da Aliança Atlântica, uma de suas prioridades é garantir que os Estados-membros cumpram suas obrigações para com a organização. "A mensagem clara e direta do presidente Trump ajudou, e vemos como os países estão começando a trabalhar na direção adequada", afirmou Stoltenberg.

Após elogiar o papel dos EUA na Otan, mencionando especialmente o envio recente de tropas americanas ao Leste Europeu. Stoltenberg também exaltou as contribuições da aliança para o país, afirmando que nenhuma outra superpotência teve tanto apoio: graças à Otan, "os EUA possuem os melhores amigos e aliados do mundo".

A cúpula dos líderes da Otan, no fim de maio em Bruxelas, será a primeira viagem internacional e apresentação oficial fora dos EUA de Trump, após assumir a presidência em janeiro.

Em meio a uma nova crise nas relações russo-americanas, após o ataque com armas químicas na Síria atribuído ao regime do presidente Bashar al-Assad, aliado de Moscou, Trump disse que "seria maravilhoso se a Otan e nosso país pudessem ter um melhor relacionamento com a Rússia".

O presidente Vladimir Putin "é o líder da Rússia, a Rússia é um país forte, os EUA são um país muito forte, vamos ver como isso tudo vai funcionar", comentou o líder americano.

RC/efe/dw

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990