EUA lançam no Afeganistão, pela primeira vez em um conflito, 'mãe de todas as bombas'

Projétil é o mais potente não nuclear do arsenal norte-americano; objetivo era destruir esconderijos subterrâneos que o EI estaria construindo no leste do país

Os Estados Unidos, liderados pelo republicano Donald Trump, usaram nesta quinta-feira (13/04), pela primeira vez em um conflito, sua maior bomba não-nuclear, a chamada “mãe de todas as bombas”. Ela foi lançada contra um complexo de túneis que pertenceria ao grupo terrorista Estado Islâmico (EI), na província de Nangarhar, no Afeganistão.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo o Pentágono, o lançamento da bomba GBU-43 Massive Ordnance Air Blast (MOAB), um gigantesco projétil de 10 toneladas, criado para destruir complexos de cavernas e túneis subterrâneos, foi feito às 19h32 (hora local, 12h02 de Brasília). Esse tipo de ataque é normalmente feito por uma aeronave Hércules C130.

A província de Nangarhar, no leste afegão e perto da fronteira com Paquistão, é uma região remota do país, onde jihadistas do EI se assentaram para estender sua presença na que chamam província de Khorasan, que faz parte do autodeclarado califado.

"O bombardeio foi pensado para minimizar o risco para as forças afegãs e americanas que realizam operações sobre o terreno nessa área, ao mesmo tempo que maximiza a destruição de combatentes e instalações do EI-Khorasan", explicou o Pentágono em um comunicado.

Coreia do Norte diz estar 'pronta para reagir' em caso de ataques dos EUA

'Não faz sentido nos darem ultimato sobre Síria', diz Rússia após EUA pressionarem por fim de aliança com Assad

Rússia veta na ONU resolução sobre Síria apresentada por EUA, Reino Unido e França

 

Agência Efe

GBU-43 Massive Ordnance Air Blast (MOAB), a "mãe de todas as bombas", foi lançada hoje no Afeganistão

"Esta é a munição adequada para reduzir os obstáculos e manter o ritmo da ofensiva contra o EI-Khorasan", acrescentou o general John W. Nicholson, comandante das forças americanas no Afeganistão, que afirmou que os jihadistas estariam trabalhando em defesas subterrâneas e bunkers.

O uso da "Mãe de todas as bombas", que mata com a pressão de ar que gera, indicaria que a área estava amplamente ocupada por operativos e instalações do EI, sem evidente presença civil.

O Pentágono disse que "foram tomadas as precauções para evitar vítimas civis", apesar de o projétil, que é guiado ao alvo apenas durante a queda, não ser considerado de precisão. O uso da bomba também é uma mensagem de combate clara para o EI e serve de amostra ao mundo do poderio militar americano.

Segundo a emissora CNN, o Pentágono enviou drones de reconhecimento e está utilizando satélites para verificar os danos e resultado do lançamento da bomba. 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias