Assad diz que ataque químico na Síria foi '100% fabricado'

Deutsche Welle
Segundo presidente sírio, incidente serviu de pretexto para operação militar americana contra base aérea em seu país

O presidente da Síria, Bashar al-Assad, declarou que o ataque químico atribuído a seu regime foi "100% fabricado" para servir de pretexto à operação militar americana contra uma base aérea em seu país.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em entrevista divulgada nesta quinta-feira (13/03) pela agência de notícias France Presse – a primeira desde o ataque químico em Khan Cheikhoun, em 4 de abril – Assad reiterou diversas vezes que seu Exército renunciou ao arsenal químico em 2013.

"Para nós, trata-se de um evento 100% fabricado" disse o presidente. "Nossa impressão é que o Ocidente, principalmente os Estados Unidos, é aliado dos terroristas. Eles fabricaram essa história para servir de pretexto para o ataque." Assad acrescentou que o poderio militar sírio não foi abalado pelos mísseis americanos.

Reuters/SANA

"Eles fabricaram essa história como pretexto para o ataque", diz presidente sírio Bashar al-Assad

Porta-voz da Casa Branca sugere que Hitler não usou armas químicas

'Não faz sentido nos darem ultimato sobre Síria', diz Rússia após EUA pressionarem por fim de aliança com Assad

Rússia veta na ONU resolução sobre Síria apresentada por EUA, Reino Unido e França

 

O presidente americano, Donald Trump, e líderes ocidentais acusam Assad de estar por trás do uso de armas químicas contra a população civil em Khan Cheikhoun, que teriam sido lançadas a partir de aeronaves militares. O ataque deixou 87 mortos, entre os quais várias crianças, gerando indignação em todo o mundo.

A Síria negou a utilização de agentes químicos. Moscou, principal aliado de Damasco, alegou que as mortes ocorreram após um bombardeio convencional atingir um depósito de "substâncias tóxicas" dos rebeldes.

O presidente russo, Vladimir Putin, chegou a afirmar ter informações de que os EUA iriam plantar substâncias químicas para acusar as autoridades sírias de usar esse tipo de armamento, justificando novos ataques americanos na Síria.

Na entrevista, Assad chegou a questionar se o ataque de fato ocorreu. "Existem muitos vídeos falsos. Não sabemos se aquelas crianças morreram em Khan Cheikhoun. Será que morreram mesmo?". Segundo o chefe de Estado sírio, seu país permitirá apenas "investigações imparciais" sobre o incidente.

Exames realizados por uma delegação britânica do órgão de fiscalização de armas químicas da ONU, a Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq), em amostras retiradas de Khan Cheikhoun na semana passada, confirmaram a presença do gás letal sarin.

RC/afp/rtr



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas