Conselho de Segurança da ONU decide encerrar missão de paz no Haiti

Por unanimidade, órgão aprova fim da Minustah e determina retirada gradual de capacetes azuis nos próximos seis meses; resolução reconhece progresso significativo acerca da estabilização após recentes eleições no país

O Conselho de Segurança das Nações Unidas decidiu nesta quinta-feira (13/04), por unanimidade, encerrar a sua missão de paz no Haiti após 13 anos de operação. A chamada Minustah, chefiada militarmente pelo Brasil, terá fim em outubro e será substituída por uma força unicamente policial.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A resolução, aprovada pelos quinze membros do órgão, determina a retirada gradual dos 2.370 capacetes azuis ao longo dos próximos seis meses, além de reduzir a presença policial de 2.600 para 1.275, que permanecerão no país com a missão de treinar as forças haitianas.

Os países do Conselho de Segurança da ONU já haviam manifestado, durante um debate na terça-feira, seu apoio ao fim da Minustah, recomendado pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Ministério da Defesa do Peru / Flickr

Oficial peruano destacado para a Minustah (Missão das Nações Unidas para a estabilização no Haiti) em 2012

Morre aos 74 anos o ex-presidente haitiano René Préval, um dos políticos mais influentes do país

Professora haitiana que vive no Brasil faz 'vaquinha' na internet para construir escola no país caribenho

Secretário-geral da ONU propõe encerramento de missão no Haiti em outubro

 

Sandra Honoré, chefe da Minustah, afirmou aos membros do órgão de segurança durante a discussão no início da semana que "as perspectivas políticas do Haiti para 2017 e os próximos anos melhoraram significativamente" desde as eleições presidenciais e legislativas do ano passado.

A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, destacou que o atual contexto político no Haiti, graças ao recente pleito, prova que o país está pronto para uma missão nova e menor. Washington está revisando as 16 operações de paz das Nações Unidas para avaliar custos e eficácia.

A resolução aprovada nesta quarta-feira reconhece "o marco significativo em direção à estabilização" do Haiti, alcançada pela realização bem-sucedida de eleições no ano passado e pelo retorno da "ordem constitucional" ao país.

O texto destaca, no entanto, a necessidade de um apoio internacional para fortalecer, profissionalizar e reformar a força haitiana, bem como auxiliar o país a promover o desenvolvimento e enfrentar os "desafios humanitários significativos" após o furacão Matthew, ocorrido em outubro de 2016.

A Missão da ONU para Estabilização do Haiti foi criada em 2004 a fim de restabelecer a paz no país do Caribe após a deposição do presidente Jean-Bertrand Aristide.

Ao longo dos anos, a Minustah, que tem maior parte do efetivo vinda do Brasil, chegou a se envolver em graves polêmicas, incluindo acusações de abuso sexual infantil por parte de capacetes brancos do Sri Lanka então alojados no país. Tropas da ONU também foram responsabilizadas pelo surto de cólera que afetou o Haiti nos últimos anos, deixando, desde 2010, mais de 9.500 mortos.

EK/ap/lusa/efe/rtr/dpa

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Cracolândia não acabou, apenas mudou de lugar, diz promotor

Para Arthur Pinto Filho, do Ministério Público de SP, ação de Alckmin e Dória não resolve problema da dependência de drogas e só faz com que usuários se espalhem pela região: 'como se fala que a Cracolândia acabou? É uma frase que não tem pé na realidade'