'Mãe de todas as bombas' dos EUA matou ao menos 90 membros do Estado Islâmico, diz Afeganistão

Segundo o Ministério da Defesa do Afeganistão, não houve vítimas civis; comando norte-americano no país defendeu ação, dizendo que superbomba era "arma adequada" para situação

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Pelo menos 90 membros do Estado Islâmico (EI) morreram após o ataque no qual os Estados Unidos utilizaram a bomba GBU-43, o projétil não nuclear mais potente do arsenal norte-americano, afirmou nesta sexta-feira (14/04) o Ministério da Defesa do Afeganistão. O Pentágono divulgou um vídeo que mostra a ação.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo o órgão, a “mãe de todas as bombas” também destruiu uma importante instalação do grupo terrorista. De acordo com Cabul, o grupo terrorista usava o esconderijo "para coordenar seus ataques terroristas em diferentes partes da província", na fronteira com Paquistão.

Por sua vez, o general John W. Nicholson, comandante das tropas dos Estados Unidos no Afeganistão, defendeu nesta sexta o uso da GBU-43 e disse que ela era a “arma adequada”. Em uma entrevista coletiva em Cabul, o militar afirmou que as instalações que teriam sido destruídas eram um “grande obstáculo”, e a ação foi feita “no momento correto”.

Segundo o ministério afegão, não houve vítimas civis. O porta-voz do órgão, Dawlat Waziri, afirmou que só uma família vivia nos arredores do lugar do bombardeio e que ela tinha sido evacuada ontem, poucas horas antes da ação militar.

Agência Efe

Bomba GBU-43, a mais potente não nuclear no arsenal dos EUA, foi usada no Afeganistão

Ataque suicida deixa ao menos 5 mortos no Palácio Presidencial do Afeganistão; EI reivindica autoria

Rússia veta na ONU resolução sobre Síria apresentada por EUA, Reino Unido e França

EUA lançam no Afeganistão, pela primeira vez em um conflito, 'mãe de todas as bombas'

 

Waziri disse também que que alguns dos túneis, construídos pelos mujahedins durante a época da invasão soviética no Afeganistão, encontravam-se a 40 metros de profundidade, motivo pelo qual a força aérea afegã não podia destrui-los.

O bombardeio com a GBU-43, um projétil de dez toneladas que mata com uma onda de pressão aérea, foi executado nesta quinta (13/04) às 19h32 (horário local, 12h02 em Brasília), no distrito de Achin, na província oriental de Nangarhar, com a aprovação do presidente norte-americano, Donald Trump.

Vídeo

O Pentágono divulgou nesta sexta o vídeo do momento em que a superbomba impacta contra o sistema de cavernas no Afeganistão.

As imagens aéreas mostram o momento em que a "mãe de todas as bombas" cai na ladeira de uma montanha do distrito de Achin, na província de Nangarhar, com uma potência equivalente a 11 toneladas de TNT.

Uma imensa coluna de fumaça e escombros aparece após a explosão, o que neste tipo de explosivos acontece antes de tocar a terra para criar uma potente onda expansiva capaz de derrubar túneis e bunkers ao gerar um pequeno terremoto.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Rede de supermercados holandesa é acusada de racismo

Em material de curso para funcionários, empresa apresenta perfis de clientes, usando mulher e criança negras para representar os de menor poder aquisitivo; todas as demais categorias são associadas a pessoas brancas

 

Cidade italiana vai sediar Copa do Mundo de Gelaterias

Competição, que acontecerá durante o Salão Internacional de Sorveteria, Confeitaria e Panificação, reunirá confeiteiros de 12 países: Argentina, Austrália, Brasil, Coreia, França, Japão, Marrocos, Polônia, Espanha, Suíça, Ucrânia e Estados Unidos

 

Catherine Deneuve pede desculpas

Após manifesto polêmico, atriz afirma que abuso sexual é ato odioso e se desculpa a vítimas de assédio que possam ter se ofendido; ao mesmo tempo, critica 'efeito manada' na internet gerado por campanhas como #MeToo