Cientistas russos desenvolvem técnica que reduz em até 40% custo de produção de ouro

Técnica baseada no uso não só de compostos de cianeto para extrair ouro da rocha, mas também de amônia, funciona entre quatro a oito vezes mais rápido do que o método clássico, dizem os cientistas

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Químicos da Rússia e seus colegas chineses desenvolveram uma nova técnica para a extração de ouro do minério que permite reduzir o custo do metal precioso em 30-40%, informa o serviço de imprensa da Universidade Nacional de Ciência e Tecnologia da Rússia (NITU "MISIS").


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi


"A possibilidade de introduzir nossa tecnologia na produção será afetada pelo custo de uma onça de ouro [31,3 gramas, aproximadamente]. Naturalmente, há tecnologias ainda mais eficientes que extraem quase todo o ouro do minério, mas requerem custos enormes, por isso sua introdução não é prática mesmo agora. Com nossa tecnologia podemos obter 85-90% - é a figura padrão e mais aceitável", explicou o professor universitário Vadim Tarasov.

Contrariamente às idéias centenárias de como o ouro se produz, hoje a maior parte deste metal precioso é extraído da Terra não na forma de pepitas ou areia dourada, como era no século 19 e em períodos históricos anteriores, mas por processamento químico de cobre e outros minérios, que contêm ouro.

Philip Taylor / Flickr CC

Barra de ouro: 'Com nossa tecnologia podemos obter 85-90% - é a figura padrão e mais aceitável', diz professor universitário Vadim Tarasov

Abelhas 'jogam futebol' em estudo que sugere que insetos aprendem novas tarefas ao observar colegas; assista

Estrela das Olimpíadas de Munique em 1972, Olga Korbut vende medalhas olímpicas devido a dificuldades financeiras

Moeda de US$ 1 milhão é roubada de museu em Berlim

 

O metal é extraído diretamente das rochas com a ajuda de água e compostos de ácido cianício, que são facilmente combinados com ouro. Esta técnica permite tomar quase todo o ouro do minério, mas este processo, como nota o serviço de imprensa da universidade, é extremamente lento e caro - precisa de pelo menos 100-120 horas, e uma onça do ouro, assim recebida, custará cerca de US$ 800 (cerca de RS 2.400).

Leia também: Rússia busca cérebros e colaboração internacional em pesquisa de ponta

Químicos da NITU "MISIS" e seus colegas chineses de empresas de mineração desenvolveram uma nova técnica para a extração de ouro, que permite reduzir os custos em 30-40%. É baseada no uso não só de compostos de cianeto para extrair ouro da rocha, mas também de amônia. A tecnologia funciona entre quatro a oito vezes mais rápido do que o método clássico e está muito menos exposta a impurezas indesejadas, como o cobre, dizem os cientistas. Graças a isso, os mineiros vão gastar muito menos esforços e recursos na limpeza de ouro de cobre do que antes.

A nova metodologia, de acordo com o serviço de imprensa da universidade, já foi testada em um dos depósitos de ouro no Tajiquistão, onde o minério aurífero contém uma grande quantidade de cobre. Segundo os cientistas, a tecnologia russa lidou com a tarefa de separar o cobre do ouro, o que não era possível alcançar com métodos ocidentais de extração de metal das rochas, e reduziu o tempo que leva para processar o minério em cerca de cinco vezes.

Segundo os cientistas da NITU "MISIS", a aplicação deste método é possível em todos os depósitos de minério na Rússia. Além disso, como observa Tarasov, a mesma tecnologia pode ser usada para "extrair" ouro de eletrônicos defeituosos e computadores usados.

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'Fatos alternativos' é a 'despalavra' de 2017

Termo estimula substituição de argumentos factuais por afirmações não comprovadas para manipular debate público, diz júri; iniciativa quer chamar atenção para palavras que ferem dignidade humana ou democracia

 

Sob a fumaça, a dependência

Não são apenas os fumantes que estão atrelados a um hábito do qual é difícil se livrar; o Brasil, líder global na exportação de tabaco, oculta sob os dados econômicos um quadro social de efeitos devastadores

 

Cientistas descobrem o que dizimou astecas

Após cinco séculos de mistério, equipe internacional de pesquisadores detecta bactéria, levada por europeus, que teria sido responsável pela morte de 15 milhões de pessoas em apenas cinco anos