Premiê da Escócia diz que May quer impor 'Brexit duro' com eleições antecipadas no Reino Unido

"Claramente, ela está apostando que os 'tories' [conservadores] vão ganhar com grande maioria na Inglaterra devido à desordem absoluta que reina no Partido Trabalhista", disse líder escocesa Nicola Sturgeon

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, acusou nesta terça-feira (18/04) a chefe de governo do Reino Unido, Theresa May, de querer impor um "Brexit duro", sem acesso ao mercado único europeu, ao anunciar eleições gerais antecipadas no Reino Unido para 8 de junho.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em uma declaração publicada no Twitter, a líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP, sigla em inglês) pediu aos votantes de sua região que "defendam" a Escócia nas próximas eleições.

Nas últimas semanas, Sturgeon iniciou o processo legal para convocar um novo referendo sobre a independência da Escócia por considerar que a região votou em favor da permanência na União Europeia (UE) e porque é contrária a um "Brexit duro”.

Com as eleições antecipadas, os conservadores "veem uma oportunidade de situar o Reino Unido ainda mais à direita, forçar um 'Brexit duro' e impor cortes mais profundos", acrescentou a premiê escocesa.

Após sua nota no Twitter, Sturgeon afirmou em um comunicado que o anúncio supõe a mudança política "mais extraordinária" na "história recente" do país. Para ela, May prioriza os interesses de seu partido ao invés dos do país. "Claramente, ela está apostando que os 'tories' [conservadores] vão ganhar com grande maioria na Inglaterra devido à desordem absoluta que reina no Partido Trabalhista", acrescentou.

Irlanda aumenta estimativa e prevê crescimento econômico de 4,3% em 2017

Rússia veta na ONU resolução sobre Síria apresentada por EUA, Reino Unido e França

Primeira-ministra Theresa May antecipa eleições no Reino Unido para 8 de junho

 

Governo da Escócia/Flickr

Sturgeon demonstrou irritação com decisão de premiê britânica de antecipar eleições de 2020 para junho

"Isto torna ainda mais importante a proteção de Escócia de um partido 'tory' [conservador] que vê agora a oportunidade de controlar o governo durante muitos anos e situar o Reino Unido mais à direita, forçando um 'Brexit duro' e impondo cortes mais profundos nesse processo", disse a premiê escocesa em sua declaração.

Para a líder do SNP, que tem 54 cadeiras na Câmara dos Comuns, Theresa May cometeu um "enorme erro de cálculo" ao antecipar as eleições gerais, que deveriam acontecer somente em maio de 2020. "O SNP sempre colocará em primeiro lugar o povo da Escócia, e, entre agora e 8 de junho, vamos trabalhar ainda mais duro para manter a confiança do povo", acrescentou Sturgeon, cujo partido é a terceira força na Câmara dos Comuns, atrás dos conservadores e dos trabalhistas.

A premiê da Escócia espera convocar um novo referendo sobre a independência entre o segundo semestre de 2018 e o primeiro de 2019, quando o país terá uma ideia mais clara de como será a futura relação do Reino Unido com o bloco europeu.

No dia 29 de março, May invocou o Artigo 50 do Tratado de Lisboa, com o qual iniciou as negociações sobre o "Brexit", a saída do Reino Unido da UE.

(*) Com Efe

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias