Donald Trump e Mahmoud Abbas vão se reunir no dia 3 de maio em Washington, anuncia Casa Branca

Este é o primeiro encontro entre os dois líderes, e Trump já afirmou não ver problemas com solução de um Estado; tema central do encontro será o processo de paz com Israel

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, anunciou nesta quarta-feira (19/04) que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se reunirá com o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, no dia 3 de maio em Washington.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo o governo norte-americano, o tema central do encontro será o processo de paz com Israel, onde os dois presidentes irão "reafirmar o compromisso de perseguir e finalmente concluir um acordo para o fim do conflito" entre palestinos e israelenses.

Esse será o primeiro encontro entre os dois líderes e ocorre após diversas manifestações de apoio do governo republicano aos planos israelenses - que não incluem a chamada "solução dos dois Estados".

Antes mesmo de assumir a Presidência norte-americana, Trump sempre se mostrou mais favorável aos israelenses, não condenando os assentamentos em terras palestinas e dizendo-se indiferente se a paz chegaria através da solução de um ou dois Estados.

Irã condena 'firmemente' bombardeio dos EUA contra Síria

Coreia do Norte diz que está pronta para guerra nuclear contra Estados Unidos

Israel pune com cela solitária prisioneiros palestinos em greve de fome

 

Agência Efe

Abbas (dir.) e Trump vão se reunir em maio em Washington

Além disso, a decisão do governo norte-americano de transferir a embaixada dos EUA para Jerusalém, em uma área que nem as Nações Unidas reconhecem como pertencente à Israel, gerou mais tensão na região. 

Negociação por dois Estados

Em fevereiro, o presidente da Palestina reafirmou seu “compromisso contínuo com a solução de dois Estados, a lei internacional e a legitimidade, que teriam que garantir o final da ocupação israelense”. Abbas também declarou na época que desejava estabelecer “um Estado palestino independente com Jerusalém Oriental como capital, que viva em paz e segurança junto ao Estado de Israel, segundo as fronteiras de junho de 1967”.

Abbas disse, então, estar pronto para "trabalhar pela paz" com o presidente norte-americano, que pediu que Israel "segure um pouco" a expansão dos assentamentos judaicos no território ocupado, uma política que foi reforçada desde que Trump chegou ao poder. Netanyahu anunciou a construção de 6.000 novos imóveis, e o parlamento israelense aprovou uma lei que regulariza parte das colônias ilegais.

(*) Com Ansa e Efe

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Cracolândia não acabou, apenas mudou de lugar, diz promotor

Para Arthur Pinto Filho, do Ministério Público de SP, ação de Alckmin e Dória não resolve problema da dependência de drogas e só faz com que usuários se espalhem pela região: 'como se fala que a Cracolândia acabou? É uma frase que não tem pé na realidade'