Plano do imperialismo é 'derrubar Maduro' e 'tomar petróleo' da Venezuela, diz Evo Morales

Governante sempre tomou posições em defesa de Maduro, de quem é aliado na Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América (ALBA), que inclui Cuba, Equador e Nicarágua, entre outros países

O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou nesta quinta-feira (20/04) que uma "conspiração" e intervenção na Venezuela contra o governo de seu aliado Nicolás Maduro terá como único propósito "apoderar-se do petróleo venezuelano". Segundo ele, “o plano do império” é derrubar o venezuelano.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“O plano do império é derrocar o presidente constitucional eleito pela Venezuela, Nicolás Maduro, como um aviso aos governos anti-imperialistas. Qualquer conspiração interna ou intervenção externa é para se apoderar do petróleo venezuelano”, afirmou, pelo Twitter

O governante sempre tomou posições em defesa de Maduro, de quem é aliado na Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América (ALBA), que inclui Cuba, Equador e Nicarágua, entre outros países.

Na quarta-feira (19/04), os partidários de Morales realizaram um ato de solidariedade com o governo da Venezuela, onde ocorreu uma jornada de manifestações convocadas pela oposição venezuelana.

Evo Morales diz que ataque dos EUA à Síria 'ameaça segurança internacional e paz mundial'

Países da Alba afirmam que OEA tem atitude 'ilegal, pró-imperialista e de interferência' com Venezuela

Maduro chama oposição para nova tentativa de diálogo na Venezuela

 

Agência Efe

Evo Morales saiu em defesa de Nicolás Maduro

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'Quem decide, direta ou indiretamente, é sempre o povo'

Em entrevista à DW, especialista em Direito Constitucional afirma que, do ponto de vista jurídico, é legítimo o Congresso alterar Constituição e diz que dar ao povo direito de eleger presidente não pode ser um problema.