Estudo associa uso do celular durante a gravidez à hiperatividade em crianças

Foram analisados comportamentos de 83.884 mães grávidas e de seus filhos, em idades compreendidas entre 5 e 7 anos, em quatro países da Europa e na Coreia do Sul

O uso do telefone celular durante a gravidez é associado ao risco de hiperatividade e falta de atenção em crianças, segundo um estudo do Instituto de Saúde Global de Barcelona (ISGlobal) feito com 83.884 mães e filhos de Espanha, Dinamarca, Coreia do Sul, Holanda e Noruega.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O estudo, o maior feito até agora sobre condutas de mães e filhos, constatou que as mulheres grávidas que utilizam telefones celulares com uma frequência de média a alta têm mais possibilidades de ter um filho hiperatividade e falta de atenção.

A pesquisa, que faz parte do projeto europeu Gerónimo, foi realizada a partir da análise do comportamento de mães grávidas e de seus filhos em idades compreendidas entre 5 e 7 anos.

OMS recomenda que brasileiras considerem adiar gravidez devido a surto de vírus zika

OMS deveria atuar para garantir direitos reprodutivos das mulheres, dizem especialistas

Aborto: Mulher é presa em Curitiba após ter dados vazados em Hospital Evangélico

 

Torsten Mangner/Flickr CC

Estudo ligou uso do celular na gravidez à hiperatividade das crianças

No total, 39% das mães que não usaram o celular durante a gravidez - a maioria do grupo, dinamarquesas - foram recrutadas antes para o estudo (entre 1996 e 2002), quando o celular era utilizado muito menos do que agora. Por outro lado, 29% das mães usaram pouco o celular, 27% tiveram um uso médio, e 5,7% foram classificadas como usuárias com uma frequência alta.

Laura Birks, pesquisadora de ISGlobal e primeira autora do estudo, destacou que os resultados mostram "uma evidência consistente do risco de problemas de hiperatividade e falta de atenção pelo uso médio e alto do celular por parte das mulheres durante a gravidez".

De todos as crianças analisadas, 6,6% tiveram dificuldades gerais de conduta, 8,3% mostraram hiperatividade e falta de atenção, e 12% apresentaram problemas emocionais.

Em futuras pesquisas será necessário estudar também "de que maneira a exposição às radiofrequências dos celulares afeta o feto", disse Martine Vrijheid, pesquisadora do ISGlobal e coordenadora do estudo. Além disso, é possível que as mães com problemas de hiperatividade foram mais propensas a fazer mais ligações telefônicas ou que a hiperatividade fosse herdada por genética.

(*) Com Efe



Uma vez que você chegou até aqui...


…temos algo a sugerir. Cada vez mais gente lê Opera Mundi, mas a publicidade dos governos, com o golpe, foi praticamente zerada para a imprensa crítica, e a publicidade privada não tem sido igualmente fácil de conseguir, apesar de nossa audiência e credibilidade. Ao contrário dos sites da mídia hegemônica, nós não estamos usando barreiras que limitam a quantidade de matérias que podem ser lidas gratuitamente por mês. Queremos manter o jornalismo acessível a todos. Produzir um jornalismo crítico e independente custa caro e dá trabalho. Mas nós acreditamos que o esforço vale a pena, pois um jornalismo desse tipo é essencial num mundo que preza a democracia. E temos certeza de que você concorda com isso.


Torne-se um assinante solidário ou faça uma contribuição única.




(Este anúncio é diretamente inspirado numa solicitação feita pelo jornal britânico ‘The Guardian’. A imprensa independente de todo o mundo está buscando nesse tipo de apoio uma forma de existir e persistir.)


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

Diálogos do Sul

PUBLICIDADE

Últimas notícias

Mais Lidas