Conselho de Segurança condena lançamento de mísseis da Coreia do Norte e exige que país abandone testes

Órgão das Nações Unidas classificou como “altamente desestabilizador” comportamento da Coreia do Norte e disse que lançamento dos mísseis é um "flagrante e provocador desafio" ao Conselho de Segurança

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O Conselho de Segurança da ONU condenou nesta quinta-feira (20/04) o último lançamento de mísseis da Coreia do Norte e exigiu que o país abandone os testes armamentistas imediatamente. A condenação foi feita em um comunicado assinado pelos 15 Estados-membros, e só foi divulgada agora por conta de diferenças entre EUA e Rússia.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O órgão das Nações Unidas classificou como “altamente desestabilizador” o comportamento da Coreia do Norte e disse que o lançamento dos mísseis é um "flagrante e provocador desafio" ao Conselho de Segurança.

O país asiático está proibido de fazer este tipo de teste, considerado pela comunidade internacional como parte do desenvolvimento de seu programa de armas nucleares. O Conselho afirmou que os lançamentos são "ilegais" e "estão aumentado a tensão na região e além".

Além disso, os 15 países afirmaram que estão prontos para impor novas "sanções" a Pyongyang, endurecendo ligeiramente um parágrafo que, em outras ocasiões, falava somente de "medidas suplementares".

Agência Efe

Conselho de Segurança da ONU condenou lançamento de mísseis da Coreia do Norte

Estados Unidos preparam 'ataque preventivo' caso Coreia do Norte faça teste nuclear, diz emissora

Coreia do Norte diz que está pronta para guerra nuclear contra Estados Unidos

Kim Jong-un e os loucos de Washington

 

Tensão Rússia-EUA

Apesar do acordo final, a negociação do texto foi responsável por um novo capítulo nas tensões entre Estados Unidos e Rússia nas Nações Unidas.

Os EUA propuseram na quarta-feira (19/04) um texto que omitia uma tradicional menção ao "diálogo" no contexto dos esforços internacionais para resolver a situação na península coreana, algo ao que se opôs a Rússia, que pediu a manutenção da linguagem habitual.

A delegação russa criticou hoje que, perante essa solicitação, os EUA decidiram retirar o texto e dizer que Moscou havia "bloqueado" o comunicado.

A embaixadora americana, Nikki Haley, disse, por sua vez, que a Rússia era o único membro que tinha objeções ao texto original, mas quis tirar peso do assunto, destacando que finalmente foi possível pactuar uma declaração.

"Ninguém no Conselho quer ver a Coreia do Norte seguir adiante com nenhum tipo de teste ou ataque e acredito que o comunicado deixa isso muito claro", opinou Haley. 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'Fatos alternativos' é a 'despalavra' de 2017

Termo estimula substituição de argumentos factuais por afirmações não comprovadas para manipular debate público, diz júri; iniciativa quer chamar atenção para palavras que ferem dignidade humana ou democracia

 

Sob a fumaça, a dependência

Não são apenas os fumantes que estão atrelados a um hábito do qual é difícil se livrar; o Brasil, líder global na exportação de tabaco, oculta sob os dados econômicos um quadro social de efeitos devastadores

 

Cientistas descobrem o que dizimou astecas

Após cinco séculos de mistério, equipe internacional de pesquisadores detecta bactéria, levada por europeus, que teria sido responsável pela morte de 15 milhões de pessoas em apenas cinco anos