Segundo suspeito de ataque em Paris se entrega à polícia na Bélgica; EI reivindica autoria

Autor dos disparos que matou um policial e feriu dois foi morto pela polícia logo após ataque na avenida Champs-Élysées; país reforça segurança a dois dias de eleição presidencial

Um homem suspeito de estar ligado ao ataque contra policiais ocorrido na quinta-feira (21/04) na avenida Champs-Élysées, em Paris, se apresentou na manhã desta sexta-feira (21/04) à polícia da Antuérpia, na Bélgica.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O porta-voz do Ministério do Interior francês, Pierre-Henry Brandet, disse que o suspeito era o homem apontado pelo serviço segredo belga depois do ataque da noite de ontem, quando um policial foi assassinado e outros dois agentes ficaram feridos, antes que o autor dos disparos fosse morto pelas forças de segurança.

As buscas começaram logo depois que o grupo extremista Estado Islâmico assumiu a autoria do ataque em Paris e o atribuiu a um de seus "combatentes", identificado como o belga Abu Yusef.

A emissora de televisão BFMTV afirmou que o indivíduo apontado pelo serviço belga também se chama Yusef.

Brandet não quis revelar a identidade do homem que cometeu o atentado e foi morto pela polícia, para preservar as investigações, mas a imprensa francesa divulgou nesta manhã seu nome: Karim Cheurfi.

Agência Efe

Ataque contra policiais aconteceu na avenida Champs-Élysées, uma das principais de Paris, na quinta-feira (20/04) à noite

Três pessoas de sua família estão sendo interrogadas sob detenção e diversas revistas estão sendo feitas na região de Paris – em particular na casa de sua mãe e de sua companheira –, noticiou France Info.

No carro que ele utilizou para chegar até a Champs-Elysées a fim de cometer o atentado, foi encontrado um fuzil de calibre 12, duas facas de cozinha, um secador, um Corão e várias notas nas quais havia endereços de delegacias de Polícia, segundo a mesma fonte.

O próximo inquilino do Eliseu

França: a esquerda vive quando não se rende

França prende dois suspeitos de planejar atentado

 

Nascido em 1977 em Livry Gargan, ao norte de Paris, Cheurfi tinha sido condenado em 2005 a 15 anos de prisão por crimes de 2001, quando feriu a bala um policial, após se envolver em um acidente de trânsito.

Alguns dias depois, já detido, tinha voltado a ferir um agente ao roubar dele a arma quando era tirado da cela. Saiu da prisão em 2015.

Ele foi detido em fevereiro por ameaças contra as forças da ordem, embora posteriormente tenha sido colocado em liberdade por falta de provas conclusivas.

Há apenas alguns meses a divisão antiterrorista da Promotoria de Paris abriu uma investigação preliminar contra ele por ameaças à Polícia, mas não por islamismo radical, senão pela suspeita de que pudesse voltar a agir contra agentes da ordem, segundo a emissora "France Info".

O terrorista foi inclusive detido em fevereiro e interrogado em Meaux, nos arredores de Paris, mas teve que ser libertado por falta de provas concretas.

O jornal Le Monde informou que, após o atentado de ontem à noite, na revista de sua casa em Chelles foram encontrados "elementos de radicalização".

Premiê francês acusa candidata Marine Le Pen de 'intrumentalizar' três dias antes de eleição

O primeiro-ministro da França, Bernard Cazeneuve, respondeu nesta sexta-feira (21/04) às críticas da candidata de extrema-direita Marine Le Pen nas eleições presidenciais que acontecem no domingo (24/03). O premiê a acusou de tentar "instrumentalizar" em seu favor o atentado de ontem à noite em Paris.
 
Em uma declaração no Palácio de Matignon, a sede da chefia de governo, o socialista Cazeneuve também respondeu declarações do candidato conservador, François Fillon, a quem repreendeu por não ter conseguido avanços na luta antiterrorista quando foi premiê entre 2007 e 2012, durante a presidência de Nicolas Sarkozy.
 
"Este ataque é um drama e Le Pen tentou lamentavelmente tirar proveito eleitoral em detrimento da verdade", acusou o premiê francês, que rebateu as investidas da candidata da extrema-direita.
 
O chefe de governo lembrou que 117 estrangeiros suspeitos de relação com terrorismo já foram expulsos do país e denunciou que Le Pen demonstrou "desconhecimento dos dispositivos terroristas" depois que a candidata afirmou que seria necessário expulsar os estrangeiros monitorados pelo serviço secreto por radicalismo, retirar a nacionalidade francesa dos que têm dupla nacionalidade e que aqueles que são apenas francesas fossem detidos sob a acusação de "adesão a uma ideologia do inimigo".
 
"(Le Pen) procura, como sempre faz após cada drama, aproveitar-se para instrumentalizar e dividir. Procura explodir, sem nenhuma vergonha, o medo e a emoção com fins exclusivamente políticos", comentou Cazeneuve sobre a candidata, que pediu hoje que as fronteiras nacionais fossem restauradas "imediatamente".

 
*Com Agência Efe
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Democracia

Democracia

A construção e a defesa da democracia envolve muitas áreas: feminismo, educação, história. Conheça alguns títulos da Alameda Casa Editorial sobre o tema.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias