Aula Pública com Rodolpho Santos: imprensa inventou expressão 'disco voador' durante Guerra Fria

Da Guerra Fria à análise de jornais brasileiros, professor do IFMG (Instituto Federal de Minas Gerais) explica como a representação de extraterrestres foi construída historicamente


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A expressão "disco voador" tem data exata de surgimento: 25 de junho de 1947. Até então, as pessoas enxergavam coisas no céu e não conseguiam explicar ou nomear de imediato o que teriam visto. No entanto, um fato histórico, que envolve a participação da imprensa norte-americana e das representações sociais a respeito da vida em outros planetas, mudou o rumo dos acontecimentos, influenciando a concepção do que é um disco voador.

Esta análise, de Rodolpho Santos, doutor em História Social pela USP e professor do Instituto Federal de Minas Gerais, foi um dos temas tratados na Aula Pública Opera Mundi sobre A Origem do Termo Disco Voador.

A partir de uma perspectiva histórica e cultural, Rodolpho analisa como uma entrevista mal interpretada de um militar dos EUA em 1947 determinou como muitas pessoas passaram a compreender o que é um disco voador.

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Rodolpho Santos explica como a expressão disco voador passou a circular na sociedade


"Em 1947, a imprensa brasileira mostrou como nos EUA não se falava de outra coisa que não fossem os discos voadores e como nenhum norte-americano sabia explicar o assunto. Para minha surpresa, depois de algumas semanas da primeira notícia sobre o assunto em 1947, após uma entrevista de um militar norte-americana que foi mal interpretada pela imprensa dos EUA, brasileiros começaram a relatar que também haviam visto discos voadores", afirma Santos, que investigou jornais da época para construir o objeto de pesquisa.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública Opera Mundi com Rodolpho Santos: qual a origem do termo "disco voador"?

Aula Pública com Lidiane Rodrigues: o que trajetória de Dilma Rousseff ensina sobre gênero e política no Brasil?

Aula Pública com Gilberto Rodrigues: Para que serve a ONU?

Assista a todos os episódios da Aula Pública Opera Mundi

 

No segundo bloco, Rodolpho Santos responde perguntas do público da Universidade Metodista, em São Bernardo do Campo.

Outro fator fundamental em relação ao conceito de discos voadores é o envolvimento de EUA e União Soviética na Guerra Fria. Entre 1948 e 1952, os jornais mais tradicionais do Brasil publicavam muitas notícias sobre discos voadores, pois acreditava-se que os objetos no céu poderiam ser soviéticos ou norte-americanos. Na época, a Guerra Fria preocupava a todos e havia uma percepção geral de que a detonação de bombas poderia acabar com a humanidade. Por isso, uma série de relatos impulsionou a ideia de que uma força maior poderia paralisar o conflito.

"A Indústria Cultural, com filmes, revistas, gibis etc, ajudou o termo disco voador a se ressignificado, ou seja, a ser associado a seres de outro planeta. Geralmente, os contactados — pessoas que afirmavam ter contato com os discos voadores — afirmavam que os alienígenas pediam pela paz. No entanto, podemos dizer, a destruição provocada pelas armas nucleares não era bem uma preocupação extraterreste, mas sim humana", explica.

Sobre a existência de vida fora do planeta Terra, Rodolpho Santos é categórico: "Do ponto de vista científico, ninguém pode provar que já fomos visitados por seres de outro planeta. É claro que existem testemunhos e diversas fotografias e filmagens que merecem ser investigados. Porém, nenhum elemento pode ser considerado conclusivo. Portanto, a ideia de que não estamos sozinhos no universo é extraordinária o que exige, automaticamente, uma prova extraordinária e cabal", conclui.

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias