Pesquisadores da UFABC abrem financiamento coletivo para 'imprimir' e montar laboratório maker

WikiLab irá abrigar, em casa 'impressa' em painéis de madeira encaixáveis, a comunidade hacker e maker da região e o Laboratório de Tecnologias Livres da universidade

Pesquisadores da UFABC (Universidade Federal do ABC) querem “imprimir” uma casa para abrigar o Laboratório de Tecnologias Livres da universidade e a comunidade hacker e maker da região. Para isso, lançaram neste mês uma campanha de financiamento coletivo que irá viabilizar a montagem do WikiLab, que será a sede do LabLivre.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Sergio Amadeu, professor do CECS (Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas) da UFABC e um dos coordenadores do LabLivre, diz que o projeto é inspirado na WikiHouse, um sistema de construção de código aberto que permite a qualquer pessoa projetar, baixar e “imprimir” painéis de madeira, que se encaixam para formar módulos habitáveis.

“O Wikilab será um pequeno prédio com dois módulos que serão montados com peças de madeira encaixadas, como se fosse um grande Lego. A madeira será cortada em uma fresadora CNC (Computer Numeric Control), guiada por um computador”, explica Amadeu a Opera Mundi.

Além do LabLivre da UFABC, no WikiLab funcionará o ABC Makerspace, espaço de fomento da cultura DIY (do inglês “do it yourself”, “faça você mesmo”) e de tecnologia livre para a comunidade da região. “O WikiLab é um espaço de colaboração pelo comum”, diz o professor. “A ideia é que as tecnologias são fundamentais para a ampliação da diversidade, dos direitos e para defender a democracia. Tecnologias não devem servir apenas ao mercado e aos interesses dos poderosos”, acredita Amadeu.

A CIA pode usar o jogo Pokémon Go para monitorar cidadãos comuns?

CIA pode invadir TV, iPhone e Whatsapp, afirma Wikileaks

Brasileiros tomam milho transgênico quando bebem cerveja, diz pesquisa

 

O financiamento coletivo está aberto na plataforma Catarse até o dia 4 de junho, e os coordenadores do WikiLab esperam conseguir R$ 63 mil em uma campanha “tudo ou nada”, o que significa que o projeto só sairá do papel se a meta for atingida ou superada. Segundo Amadeu, o recurso à “vaquinha” online se deu pela dificuldade de encontrar financiamento público para projetos de pesquisa e pelo próprio caráter colaborativo do WikiLab.

“O governo Temer está cortando recursos de atividades científicas, nosso projeto não teria a menor chance de obter recursos das agências de fomento. Além disso, acreditamos que possamos encontrar novos espaços de criação tecnológica que não se limitem ao mercado neoliberal”, diz o professor. “O financiamento colaborativo cria outro tipo de compromisso com a sociedade, muito mais ampla, transparente e inclusiva.”

Segundo Amadeu, o WikiLab é um “pequeno experimento”, e a intenção dos pesquisadores, hackers e makers envolvidos no projeto é estimular mais espaços de criação, pesquisa e diversão com tecnologia. “Esperamos poder fazer muitos experimentos que reforcem a democratização da nossa sociedade. Devemos superar a ideia que tecnologia é mágica, que só serve para fortalecer as grandes corporações. Tecnologia pode ser empregada para ampliar a participação social e barrar o avanço neoliberal”, afirma o professor.

---> Clique aqui para colaborar com o projeto

WikiLab / Divulgação

Montagem do que seria o WikiLab no campus da UFABC, em São Bernardo do Campo

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias