Aula Pública Opera Mundi: como enfrentar a violência contra mulheres?

Jornalista Luciana Araújo, militante feminista que atua no Núcleo Impulsor da Marcha das Mulheres Negras, afirma que é necessária uma compreensão mais abrangente do conceito de violência

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Opera Mundi TV

Jornalista Luciana Araújo discute como o tema da violência contra mulheres é relevante para uma sociedade mais democrática


Agressões contra mulheres devem ser analisadas dentro de um contexto mais amplo. No caso brasileiro, de uma sociedade fundada sob a violência, sobretudo na colonização e no período de escravidão. O próprio desenvolvimento econômico do país é marcado pela hierarquização de vidas em favor do acúmulo de capital. Portanto, é necessário compreender que os ataques às mulheres têm um vínculo histórico com a realidade brasileira de violência.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Esta é uma das análises feitas por Luciana Araújo, jornalista e militante feminista que atua Núcleo Impulsor da Marcha das Mulheres Negras, durante a gravação da Aula Pública Opera Mundi sobre Como Enfrentar a Violência Contra a Mulher.

"Apenas em 2015, conseguimos incluir na legislação a tipificação do feminicídio e, mesmo assim, a medida ainda é vista como um exagero por uma parcela da sociedade. É muito diferente uma morte resultante de violência urbana ou de conflitos socioeconômicos do que você matar alguém por sua condição de existência. Estamos falando de mortes motivadas pelo pelo fato de serem mulheres. Todos dias morrem mulheres em razão de 'deixar de fazer o jantar', 'não arrumar a cama' ou 'porque o marido não aceita a separação'. Debater isso é o primeiro passo para reverter esse quadro", afirma Luciana.

Clique aqui para assistir a todos os episódios da Aula Pública Opera Mundi

Para especialista, também é necessária uma compreensão mais abrangente sobre o que é violência. Casos contemporâneos, como acesso às senhas de redes sociais ou ameaças simbólicas, exemplificam que as agressões não se limitam apenas aos ataques físicos. 

"Há casos de mulheres que suicidaram após o vazamento de imagens nas redes sociais. Portanto, não podemos tratar o assunto apenas como violência virtual, pois há episódios com desdobramentos claros para o mundo real. Debater essa nova realidade é fundamental para reverter o quadro de um país que é o 5°, em 84 países, que mais mata mulheres. E o 1° colocado que mais mata travestis e transsexuais. E são mortes que estão associadas ao que é feminino nessas pessoas e nesses corpos", afirma Luciana.

Argentina: Centrais sindicais fazem greve geral contra política econômica do governo Macri

ONU diz que mudança de posição dos EUA sobre separar crianças imigrantes dos pais 'não faz sentido'

Melania Trump vai à fronteira com México usando casaco com inscrição 'não me importo'

 

Assista à Aula Pública com Luciana Araújo: como enfrentar a violência contra a mulher?



No segundo bloco, a jornalista Luciana Araújo responde perguntas do público da Universidade Metodista, em São Bernardo do Campo




Aula Pública Opera Mundi:
Coordenação: Haroldo Sereza
Produção: Dodô Calixto
Edição de vídeo: Daniela Stéfano

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Mulheres começam a dirigir na Arábia Saudita

Abertura é reflexo de uma mobilização de quase três décadas em defesa dos direitos das mulheres sauditas; as primeiras campanhas pelo direito a dirigir ocorreram nos anos 1990