Aula Pública Opera Mundi: como enfrentar a violência contra mulheres?

Jornalista Luciana Araújo, militante feminista que atua no Núcleo Impulsor da Marcha das Mulheres Negras, afirma que é necessária uma compreensão mais abrangente do conceito de violência

Opera Mundi TV

Jornalista Luciana Araújo discute como o tema da violência contra mulheres é relevante para uma sociedade mais democrática


Agressões contra mulheres devem ser analisadas dentro de um contexto mais amplo. No caso brasileiro, de uma sociedade fundada sob a violência, sobretudo na colonização e no período de escravidão. O próprio desenvolvimento econômico do país é marcado pela hierarquização de vidas em favor do acúmulo de capital. Portanto, é necessário compreender que os ataques às mulheres têm um vínculo histórico com a realidade brasileira de violência.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Esta é uma das análises feitas por Luciana Araújo, jornalista e militante feminista que atua Núcleo Impulsor da Marcha das Mulheres Negras, durante a gravação da Aula Pública Opera Mundi sobre Como Enfrentar a Violência Contra a Mulher.

"Apenas em 2015, conseguimos incluir na legislação a tipificação do feminicídio e, mesmo assim, a medida ainda é vista como um exagero por uma parcela da sociedade. É muito diferente uma morte resultante de violência urbana ou de conflitos socioeconômicos do que você matar alguém por sua condição de existência. Estamos falando de mortes motivadas pelo pelo fato de serem mulheres. Todos dias morrem mulheres em razão de 'deixar de fazer o jantar', 'não arrumar a cama' ou 'porque o marido não aceita a separação'. Debater isso é o primeiro passo para reverter esse quadro", afirma Luciana.

Clique aqui para assistir a todos os episódios da Aula Pública Opera Mundi

Para especialista, também é necessária uma compreensão mais abrangente sobre o que é violência. Casos contemporâneos, como acesso às senhas de redes sociais ou ameaças simbólicas, exemplificam que as agressões não se limitam apenas aos ataques físicos. 

"Há casos de mulheres que suicidaram após o vazamento de imagens nas redes sociais. Portanto, não podemos tratar o assunto apenas como violência virtual, pois há episódios com desdobramentos claros para o mundo real. Debater essa nova realidade é fundamental para reverter o quadro de um país que é o 5°, em 84 países, que mais mata mulheres. E o 1° colocado que mais mata travestis e transsexuais. E são mortes que estão associadas ao que é feminino nessas pessoas e nesses corpos", afirma Luciana.

Governo e oposição na Venezuela definem regras de diálogos, que começam em 1º de dezembro

'Nunca aceitaremos o golpe de Estado militar no Zimbábue', diz líder da União Africana

Judith Butler responde aos ataques de ódio sofridos no Brasil

 

Assista à Aula Pública com Luciana Araújo: como enfrentar a violência contra a mulher?



No segundo bloco, a jornalista Luciana Araújo responde perguntas do público da Universidade Metodista, em São Bernardo do Campo




Aula Pública Opera Mundi:
Coordenação: Haroldo Sereza
Produção: Dodô Calixto
Edição de vídeo: Daniela Stéfano

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Mugabe reaparece em público após intervenção militar

Oficialmente em prisão domiciliar, presidente do Zimbábue é visto em público pela primeira vez desde que Forças Armadas assumiram o controle do país; sua saída do poder, após quase quatro décadas, ainda é incerta.