União Europeia aprova texto comum a ser usado nas negociações do Brexit

Aprovação do documento ocorreu na primeira reunião do bloco com os 27 Estados-membros que permanecem na UE

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse neste sábado (29/04) que as "linhas-guias" da União Europeia para a negociação sobre o Brexit "foram aprovadas por unanimidade" na reunião dos 27 chefes de Estado e de governos dos países-membros.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Um mandato político dos 27 fortes e iguais está pronto para a discussão sobre a Brexit", destacou Tusk. Para a aprovação das normas, que já haviam sido validadas na última quinta-feira (25/04) no Conselho de Assuntos Gerais dos ministros responsáveis pelos temas europeus, "foi necessário apenas um minuto", informou um porta-voz do Conselho Europeu.

A aprovação do documento ocorreu na primeira reunião do bloco com os 27 Estados-membros que permanecem na UE. Agora, os líderes "terão a oportunidade de exprimir seus pontos de vista e suas preocupações" sobre o processo de saída ao chefe das negociações, Michel Barnier.

Na próxima quarta-feira (03/05), o Colégio dos Comissários publicará as "Recomendações" sobre as diretivas técnicas para a negociação. O documento será submetido ao exame dos 27 Estados-membros e está previsto que a publicação seja aprovada na reunião do Conselho de Assuntos Gerais no dia 22 de maio.

Reunião

"Precisamos ficar unidos como União Europeia em 27 porque só assim estaremos aptos a concluir as negociações e a nossa unidade também é de interesse da Grã-Bretanha", disse Tusk.

Momento atual lembra volta de Getúlio Vargas ao poder em 1950, diz Lula em carta para o Salão do Livro Político

OMS retira transexualidade da categoria de distúrbios mentais

É inadmissível que Estados Unidos separem pais e filhos imigrantes na fronteira com México, diz ONU

 

Agência Efe

Membros da UE se reuniram neste sábado para definir texto a ser usado na negociação do Brexit

Já o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, ao chegar para o encontro, foi questionado sobre uma fala da chanceler alemã, Angela Merkel, de que os britânicos estavam se "iludindo" com a facilidade das negociações e sua posição em relação ao bloco no futuro. "Eu também tenho a mesma impressão", disse Juncker aos repórteres.

O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, destacou que a "primeira coisa" a ser defendida pela União Europeia nas negociações será "proteger a posição de três milhões de cidadãos europeus que moram na Grã-Bretanha".

Líderes europeus

Entre os líderes europeus, o primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni, afirmou que o objetivo da reunião "não era só aquela de gerir bem a negociação com o Reino Unido, mas também aquela de retomar a nossa unidade nos próximos meses". "Isso não depende só da nossa unidade, mas também da capacidade da União Europeia de mudar alguns dossiês fundamentais do bloco.  Primeiro, entre todos, está aquele de uma política econômica que acompanha e não tire o crescimento. Agora, finalmente, temos crescimento em todos os 27 países europeus e devemos acompanhá-los", acrescentou.

 Já Merkel ressaltou que o bloco quer "ter uma boa relação com a Grã-Bretanha, mas também defender nossos interesses, que até o momento está muito bem, e é um bom ponto de partida para continuar a fazer isso durante as negociações".

O "Brexit" foi ativado, formalmente, no dia 29 de março, quando o governo de Theresa May notificou a UE sobre sua intenção de deixar o bloco, ativando o artigo 50 do Tratado de Lisboa. Pelo prazo previsto no estatuto da entidade, serão necessários ao menos dois anos para as negociações.

(*) Com Ansa

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias