'Cumpri uma promessa após a outra', diz Trump ao completar 100 dias no governo dos EUA

Declaração vem mesmo após ter suas principais iniciativas, como veto a viagens de muçulmanos e fim do Obamacare, terem fracassado; Trump culpou imprensa

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse neste sábado (30/04) que cumpriu "uma promessa após outra" em seus primeiros cem dias no poder e reiterou seus ataques aos meios de comunicação, a quem criticou por estarem afastados da realidade.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Meus primeiros cem dias foram muito produtivos (...) Cumprimos uma promessa após outra", disse Trump em um ato em Harrisburg (Pensilvânia), um dos estados-chave de sua vitória eleitoral em novembro do ano passado, já que não escolhia um candidato presidencial republicano desde 1988.

Em um ato com tom de campanha eleitoral mais que de um presidente no cargo, o governante aproveitou que, naquela noite, se realizava em Washington o tradicional jantar de correspondentes da Casa Branca para lançar uma nova onda de ataques à imprensa.

"Não poderia estar mais emocionado de estar a mais de 150 quilômetros do lodaçal de Washington", disse, em referência ao fato de que é o primeiro presidente no cargo que se esquiva do evento na capital, algo que não acontecia há mais de duas décadas.

Durante o discurso, de quase uma hora, Trump rejeitou as críticas feitas sobre os fracassos registrados durante seus primeiros cem dias de mandato, como a negativa do Congresso de aprovar sua reforma da lei da saúde conhecida como "Obamacare" e o bloqueio dos tribunais a sua proibição de entrada temporária nos EUA de viajantes procedentes de sete países de maioria muçulmana.

Neste sentido, enfatizou que "as prioridades da imprensa não são prioridades de vocês" e voltou a destacar que está concentrado "em voltar a fazer os EUA grandes de novo", seu lema de campanha. "Se o trabalho dos meios é ser honesto e dizer a verdade então acredito que estamos de acordo em que a imprensa merece uma repreensão bem grande", disse perante os aplausos dos quase 10.000 presentes.

Trump reiterou os eixos de sua campanha, como sua vontade de renegociar o Tratado de Livre Comércio de América do Norte (TLCAN) com México e Canadá, e sua polêmica promessa de construir o muro na fronteira sul. "Não se preocupem, vamos construí-lo", disse, sem comentar os obstáculos que enfrenta no Congresso, onde os legisladores mostraram suas reticências a desembolsar fundos para a ampliação do muro existente.

Coreia do Norte anuncia que vai reforçar armas nucleares após EUA enviarem porta-aviões à região

EUA começam a instalar escudo antimísseis na Coreia do Sul

Governo Trump anuncia redução de impostos para mais ricos e empresas dos EUA

 

Agência Efe

Trump diz que cumpriu 'uma promessa após a outra' em 100 dias de governo

Além disso, anunciou que estará "tomando uma grande decisão sobre o Acordo de Paris nas próximas duas semanas". "Veremos o que acontece", disse Trump, ao mesmo tempo reiterando seu compromisso para revitalizar a indústria do carvão e do petróleo.

As declarações de Trump foram feitas no mesmo dia de várias marchas em defesa do clima - incluindo uma com milhares de manifestantes em Washington - e contra suas políticas de desregulamentação de leis ambientais nos EUA.

Esta semana, o presidente assinou uma ordem executiva para revisar as proibições impostas por Obama para permitir explorações de petróleo no litoral do país, o que poderia abrir áreas do Ártico e do Golfo do México a novos poços.

Acordo de Paris

Os EUA estão avaliando se se mantêm no Acordo Internacional de Paris sobre mudança climática, que busca uma mudança no modelo de desenvolvimento livre de combustíveis fósseis e foi assinado por seu predecessor Barack Obama.

Trump também se referiu à escalada da tensão com a Coreia do Norte, e defendeu que está trabalhando com a China para solucionar um problema que qualificou de "complicado". Ele insistiu em que sua decisão de não designar a China como manipulador de moedas, como tinha prometido, responde à colaboração estreita com Pequim para diminuir o conflito.

Antes do ato, Trump percorreu uma fábrica na região, e assinou uma ordem executiva para a criação de um Escritório Presidencial para a revisão de políticas comerciais e de manufatura. 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Quem são os extremistas de direita dos EUA?

As manifestações e violência na Virgínia colocaram em foco os grupos ultradireitistas americanos; crença na supremacia branca, antissemitismo, homofobia e intolerância política são alguns dos pontos que os unem