Washington e Seul encerram maiores manobras conjuntas

Deutsche Welle
Na disputa com Pyongyang, Donald Trump volta a elogiar China, aliada tradicional da Coreia do Norte

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Os exércitos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos finalizaram neste domingo (30/04) suas manobras anuais conjuntas Foal Eagle (filhote de águia, em inglês), que neste ano foram as maiores que já aconteceram e coincidiram com um período de máxima tensão na península coreana.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

As autoridades militares da Coreia do Sul anunciaram que os exercícios Foal Eagle, que envolveram forças de infantaria, navais e aéreas sul-coreanas e americanas, foram concluídos neste domingo "como estava previsto", informou a agência de notícias Yonhap.

Nos exercícios deste ano, que começaram no início de março, participaram mais de 10 mil soldados americanos e centenas de milhares de efetivos sul-coreanos, o que os converteu nos maiores deste tipo já realizados na Península da Coreia.

A Coreia do Norte, que considera as manobras um ensaio para a invasão de seu território, criticou com firmeza os exercícios militares que, além disso, coincidiram com um período de especial tensão entre Washington e Pyongyang.

O término dos exercícios conjuntos acontece um dia depois que o regime norte-coreano realizou seu último teste de mísseis, o lançamento de um projétil balístico que explodiu poucos minutos após a decolagem, segundo confirmaram Washington e Seul.

China e Coreia do Norte

Na disputa com a Coreia do Norte, o presidente americano, Donald Trump, voltou a elogiar o seu colega de pasta chinês, Xi Jinping, em entrevista que deverá ir ao ar neste domingo pela emissora CBS. "Também Xi faz pressão sobre a Coreia do Norte", declarou Trump.

EUA começam a instalar escudo antimísseis na Coreia do Sul

Governo Trump anuncia redução de impostos para mais ricos e empresas dos EUA

'Cumpri uma promessa após a outra', diz Trump ao completar 100 dias no governo dos EUA

 

 

Agência Efe

Porta-aviões Carl Vinson indo à península coreana; EUA e Coreia do Sul terminaram exercícios militares

O presidente americano declarou ainda que "não se alegraria" com um novo teste nuclear por parte de Pyongyang. "E eu também não acredito que o presidente chinês, que é uma pessoa muito estimada, estaria contente", acrescentou Trump.

Quanto à pergunta se ele levaria em consideração uma reação militar no caso de um novo teste nuclear, o presidente americano respondeu: "Não sei. Quero dizer, vamos ver."

Testes norte-coreanos

A China é o aliado mais próximo da Coreia do Norte. Recentemente, o governo americano exortou Pequim a forçar que a Coreia do Norte abandone seu programa nuclear e de mísseis. Trump já advertiu diversas vezes que, se necessário, Washington iria agir unilateralmente contra Pyongyang, sem descartas ações militares.

Em reação ao lançamento fracassado de um foguete norte-coreano no sábado, o presidente dos Estados Unidos já havia se referido à China, afirmando que, com seu novo teste, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, desrespeitara Pequim. "A Coreia do Norte não respeitou a vontade da China nem de seu estimado presidente [Xi Jinping] ao lançar hoje, embora sem sucesso, um míssil", disse Trump, em mensagem no Twitter.

Desde 2006, a Coreia do Norte já realizou cinco testes nucleares, segundo informações próprias, incluindo dois no ano passado. Ao mesmo tempo, a liderança em Pyongyang trabalha no desenvolvimento de foguetes de longo alcance, que poderiam alcançar os EUA equipados com ogivas nucleares.

Neste sábado, o porta-aviões americano USS Carl Vinson chegou à costa da península coreana, participando de exercícios conjuntos com a Marinha sul-coreana.

CA/efe/afp

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias