Diálogo entre Rússia e EUA está 'livre de ideologia' com Trump, diz Lavrov em Washington

Ministro de Relações Exteriores da Rússia se reuniu com presidente dos EUA na Casa Branca; Trump disse que o encontro foi 'muito bom' e que ambas as partes querem pôr fim à guerra na Síria 'o mais rápido possível'

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, disse nesta quarta-feira (10/05) que as relações de seu país com os Estados Unidos sob a presidência de Donald Trump estão "livres de ideologia" e que ambos os governos estão abertos a negociar e cooperar em assuntos como a solução para o conflito na Síria.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Lavrov ofereceu uma coletiva de imprensa na embaixada russa em Washington após se reunir a portas fechadas no Salão Oval da Casa Branca com Trump, que, por sua vez, disse que o encontro foi "muito bom" e que ambas as partes querem pôr fim ao horrível "massacre" na Síria "o mais rápido possível".

"Todo o mundo está trabalhando para esse fim", enfatizou Trump aos jornalistas durante uma reunião no Salão Oval com o ex-secretário de Estado Henry Kissinger, a quem recebeu depois de seu encontro com o ministro russo.

Sobre a situação na Síria, Lavrov detalhou em sua coletiva de imprensa que falou com Trump sobre o recente acordo assinado entre Rússia, Irã e Turquia para estabelecer quatro zonas de segurança nesse país com o objetivo de proteger a população civil e reduzir a tensão entre os rebeldes e as forças governamentais.

Lavrov destacou que EUA e Rússia estão agora abertos a dialogar sobre o conflito na Síria sem "preferências ideológicas", algo que, a seu julgamento, não acontecia durante o mandato do ex-presidente Barack Obama.

Por outro lado, diante das insistentes perguntas dos jornalistas sobre a suposta interferência russa nas eleições presidenciais dos EUA para favorecer Trump, Lavrov comentou que não gostaria de falar de assuntos "absurdos" e reiterou que o próprio magnata disse "publicamente" que são acusações "falsas".

Ministério de Relações Exteriores da Rússia

Donald Trump, presidente dos EUA, e Serguei Lavrov, ministro de Relações Exteriores da Rússia, durante encontro no Salão Oval da Casa Branca

Abbas diz a Trump em encontro na Casa Branca que 'é hora' de pôr fim à ocupação de Israel na Palestina

Desfile militar marca 72 anos da vitória russa sobre Alemanha nazista; veja fotos

Trump diz que demitiu diretor do FBI por 'não estar fazendo um bom trabalho'

 

A Rússia sempre negou essa suposta interferência e os contatos com a campanha eleitoral de Trump, algo que atualmente está sendo investigado pelo FBI (a polícia federal investigativa dos EUA).

A visita de Lavrov a Washington aconteceu um dia depois que Trump anunciou a demissão do agora ex-diretor do FBI, James Comey, que liderava precisamente uma investigação dos possíveis vínculos entre a campanha eleitoral do magnata e o Kremlin.

"(Comey) foi despedido? Vocês estão brincando, estão brincando!", ironizou Lavrov ao ser perguntado a respeito pelos jornalistas enquanto posava em frente às câmeras com Rex Tillerson, titular do Departamento de Estado americano.

A imprensa russa teve acesso à reunião a portas fechadas de Trump e Lavrov e pôde fazer imagens. Já os jornalistas norte-americanos não puderam entrar no recinto.

As imagens da imprensa russa mostraram que, além de Lavrov, também esteve presente na reunião o embaixador russo em Washington, Serguei Kislyak.

Kislyak foi o pivô da saída de Michael Flynn como conselheiro de Segurança Nacional de Trump, depois que o general reformado mentiu sobre o conteúdo de suas conversas com o embaixador durante a campanha eleitoral no ano passado. 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Quem são os extremistas de direita dos EUA?

As manifestações e violência na Virgínia colocaram em foco os grupos ultradireitistas americanos; crença na supremacia branca, antissemitismo, homofobia e intolerância política são alguns dos pontos que os unem