Merkel e Macron prometem reforçar laços e se dizem abertos a mudanças na UE

Em reunião no primeiro dia do governo de Emmanuel Macron, chanceler alemã e novo presidente francês reiteraram postura pró-Europa e acenaram para possíveis mudanças para 'desburocratizar' a União Europeia

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, recebeu nesta segunda-feira (15/05) o novo presidente francês, Emmanuel Macron, e prometeu reforçar os laços com o governo de Paris.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Nós concordamos que trabalharemos juntos de maneira muito próxima. Estou consciente que esse é um momento muito crítico da União Europeia e tomaremos as decisões corretas", disse Merkel na coletiva de imprensa após o encontro bilateral.

Macron, que fez sua primeira visita internacional como chefe de Estado da França, reforçou seu compromisso com o bloco europeu, mas alertou que é preciso "desburocratizar a Europa" porque ele "não esquece dos votos de raiva que recebeu".

A fala do francês é uma referência a sua vitória na disputa contra Marine Le Pen, líder da extrema-direita do país e defensora da saída da França da União Europeia. Diversas pesquisas mostraram que muitos franceses que votaram em Macron queriam, na verdade, impedir que Le Pen assumisse a Presidência.

Agência Efe

Angela Merkel, chanceler da Alemanha, e Emmanuel Macron, recém-empossado presidente da França, em encontro em Berlim nesta segunda-feira (15/05)

Com Macron e Le Pen, França tem recorde de votos brancos e nulos no segundo turno

'Uberizar' o país e mudar leis trabalhistas: quem é (e o que defende) Emmanuel Macron, novo presidente da França?

Mélenchon anuncia candidatura em eleições legislativas na França para combater Macron

 

Segundo Merkel, essa questão do voto pela permanência da UE ressalta que "as eleições francesas mostraram que o tesouro é a Europa e que é importante trabalhar para esse tesouro".

"Este é um momento particularmente sensível da história e precisamos de uma Europa forte", acrescentou a chanceler.

No entanto, para Macron, essa postura pró-União Europeia precisa de "investimentos para o futuro da Europa" e os planos atuais não estão aplicando "dinheiro novo" nisso. Neste momento, os dois líderes afirmaram que os tratados europeus "podem ser mudados se for necessário".

"A modificação dos tratados era um tabu francês. Para mim, não é", disse Macron ao se referir aos governos anteriores de seu país e para ressaltar a importância das reformas.

A postura de Macron durante toda a sua campanha eleitoral foi sempre de defender os valores europeus, mas sem deixar de cobrar por mudanças. Merkel, por sua vez, não escondeu a felicidade de ver o novo presidente francês ser eleito, vendo nele um forte aliado no momento delicado que o bloco vive, especialmente, com a saída do Reino Unido da UE, o chamado "Brexit".

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Quem são os extremistas de direita dos EUA?

As manifestações e violência na Virgínia colocaram em foco os grupos ultradireitistas americanos; crença na supremacia branca, antissemitismo, homofobia e intolerância política são alguns dos pontos que os unem