Associações internacionais repudiam criminalização de antropólogos por CPI da Funai

Relatório da CPI da Funai e do Incra, divulgado no último dia 9, pede o indiciamento de 88 pessoas, entre antropólogos, pesquisadores de direitos territoriais, indígenas, quilombolas, assentados da reforma agrária, ativistas, procuradores e políticos

Associações científicas nacionais e internacionais repudiaram o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) Funai/Incra, divulgado no último dia 9, que pede o indiciamento de 88 pessoas entre antropólogos, pesquisadores de direitos territoriais, indígenas, quilombolas, assentados da reforma agrária, ativistas, procuradores e políticos. Para as entidades, o relatório criminaliza a pesquisa acadêmica e tem o intuito de intimidar e interromper o trabalho dos profissionais.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

As pessoas que são alvo dos pedidos estão em Santa Catarina, Bahia, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Rio Grande do Sul. A CPI Funai/Incra foi instaurada em 2015 na Câmara dos Deputados e encerrada sem conclusões no mesmo ano. Os trabalhos foram reabertos em 2016, sob a liderança dos deputados ruralistas Alceu Moreira (PMDB-RS), Luiz Carlos Heinze (PP-RS) e Nilson Leitão (PSDB-MT).

A direção executiva da Associação Americana de Antropologia (AAA) enviou uma carta a autoridades brasileiras no mesmo dia da divulgação do relatório final pedindo explicações e expressando “profunda preocupação” com os resultados apresentados, que acusam os profissionais de elaborarem laudos “fraudulentos”. “Estamos alarmados que a pesquisa antropológica básica no Brasil, especificamente a pesquisa documentando povos indígenas e quilombolas, seja vista como ‘criminosa’ pela Comissão”, afirma a entidade, em carta dirigida a autoridades brasileiras.

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Indígenas fazem protesto contra a CPI da Funai, na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (16/05)

Para entidades, relatório sobre direitos humanos apresentado por Brasil à ONU está distante da realidade

Ministra do TST diz que reforma trabalhista permite trabalho escravo

É coisa da esquerda? Haverá 'invasão' de imigrantes? 12 perguntas sobre a nova Lei de Migração

 

Maior organização de antropologia profissional do mundo, a associação lembra ainda que a “a liberdade acadêmica, o respeito à diversidade e ao pluralismo, assim como os direitos culturais e o direito à terra, são valores protegidos pela Constituição brasileira”. A carta sugere haver “um mal-entendido sobre a natureza da pesquisa antropológica” e destaca que “a comunidade antropológica brasileira é internacionalmente respeitada pela sua pesquisa científica e sua defesa dos direitos humanos”.

Também na terça-feira, o jornal português Diário de Notícias divulgou uma entrevista com a antropóloga portuguesa Suzana de Matos Viegas, do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, na qual afirma que as acusações do relatório são falsas. Para ela, trata-se de “um documento contra os direitos humanos, contra a legislação que o Brasil adotou desde que é uma nação democrática, com muitas afirmações racistas, contra a legislação internacional”.

Dias antes, a Society for the Anthropology of Lowland South America (Salsa, na sigla em inglês) já havia enviado uma carta semelhante a autoridades brasileiras afirmando que a decisão da CPI de criminalizar o trabalho dos pesquisadores “só pode ser interpretada como uma estratégia para intimidar e interromper o trabalho de profissionais altamente respeitados”. A entidade se diz preocupada com a independência acadêmica e a liberdade de pesquisa no Brasil. “Estudiosos de todo o mundo são sabedores da alta qualidade da pesquisa científica produzida pelos antropólogos brasileiros”, diz o texto.

No Brasil, o Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional (UFRJ) também lançou uma nota na qual, além de prestar solidariedade às dezenas de indiciados, dentre os quais alunos e ex-alunos do programa, repudia a “tentativa de criminalização da prática da perícia antropológica” e reitera que “toda a ação dos pesquisadores e pesquisadoras acusado/as tem se feito à luz da legislação vigente”.

 

*Publicado originalmente no site da Rede Brasil Atual com informações do ISA

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Meu primeiro festival pornô

No PopPorn, festival de pornografia alternativa que acontece todos os anos em São Paulo desde 2010, repórter aprende sobre shibari e BSDM, acompanha performances sexuais e aprende como fazer seu próprio pornô