Cuba vai testar em humanos medicamento que pode atrasar efeitos do mal de Alzheimer

Segundo pesquisadora, ideia é retardar degeneração neurológica; fármaco é de produção 100% cubana e mostrou ter função neuroprotetora

O Centro de Imunologia Nuclear (CIM) de Cuba vai começar a testar em humanos o medicamento NeuroEpo, que tem o efeito de retardar os efeitos do mal de Alzheimer. Em análises iniciais, o fármaco – de produção 100% cubana – mostrou ter uma função neuroprotetora.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O medicamento será aplicado em pessoas que estejam nos estágios iniciais de Alzheimer. O remédio não evita e, tampouco, elimina a doença, mas pode trazer um alívio aos pacientes que estejam apresentando os primeiros sintomas.

Segundo Leslie Pérez, pesquisadora do CIM, a ideia é retardar a degeneração neurológica. “O objetivo do tratamento é ajudar a demorar esse processo degenerativo e melhorar a qualidade de vida da pessoa e da família”, disse ao jornal Granma. O Alzheimer não tem cura.

Atualmente, pelo menos 160 mil pessoas sofrem da doença em Cuba. Estudos mostram que esse número deve mais que dobrar até 2040, chegando a atingir 2,7% da população da ilha. O Alzheimer é a sexta causa de morte no país entre os maiores de 60 anos.

sxc.hu

Cuba vai começar a testar em humanos vacina que pode retardar efeitos do Alzheimer

Argentina promulga lei que permite uso medicinal de maconha

A psiquiatrização das identidades trans no DSM-5: saúde, cidadania e o risco do pensamento colonizado

Câmara dos EUA aprova projeto de Trump para revogar lei de saúde Obamacare

 
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP

XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP
Este ano, o evento traz à tona discussões que têm pautado o cenário internacional contemporâneo. Os debates tentam construir o diálogo com assuntos específicos que se entrelaçam por diversas áreas e circunscrevem a globalização. Serão abordadas: políticas migratórias; política externa brasileira; conflito e defesa - segurança privada; saúde pública no âmbito internacional: a questão da fome para além do conflito; futuro dos Acordos Preferenciais de comércio, frente a saída dos EUA dos TPP; entre outras questões. 
 
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias