Aula Pública com Fernando Haddad: São Paulo se tornou uma cidade mais democrática?

Ex-prefeito discute mudanças na capital paulista e possíveis desdobramentos com o novo cenário político

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

A cidade de São Paulo passou por uma série de transformações nos últimos anos. Desde a área da cultura até o campo da habitação, novas ações buscaram democratizar o território paulistano. Ou seja, estabelecer prioridades para gerar equilíbrio e permitir que as pessoas possam se emancipar.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi


Esta é análise de Fernando Haddad, doutor em Filosofia pela USP e ex-prefeito de São Paulo, ao discutir se São Paulo se Tornou uma Cidade Mais Democrática, na Aula Pública Opera Mundi.

Veja também: Aula Pública com Fernando Haddad: como as cidades podem ser mais democráticas?

"Na área da cultura, com fomento e novas modalidades, conseguimos apoio aos coletivos da periferia. No campo da habitação, foi feito um arranjo espetacular com movimento por moradia: viabilizamos 110 mil unidades habitacionais, com terrenos, licenciamento e recurso. São Paulo não estava habituada a desapropriar terra para produção de moradia popular. Então, iniciamos uma política severa para desapropriar e garantir que as ZEIS (Zona Especial de Interesse Social) chegassem às mãos de pessoas de baixa renda", explica.

Clique aqui para assistir a todos os episódios da Aula Pública Opera Mundi

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Fernando Haddad: São Paulo se tornou uma cidade mais democrática?

Siga apuração das eleições presidenciais na Colômbia

Iván Duque e Gustavo Petro vão para 2º turno das eleições presidenciais na Colômbia

Colômbia vai às urnas neste domingo no primeiro turno das eleições presidenciais

 

No segundo bloco, Haddad responde perguntas do público no campus Perdizes da PUC-SP

Para Fernando Haddad, é necessário reeducar o olhar para o conceito de democracia. "Quando você abre as ruas aos domingos para os pedestres, como no caso da Avenida Paulista, há um movimento educacional para o convívio. Quando criamos Wifi numa praça pública, estamos ressignificando o espaço. As pessoas passaram a ocupar o lugar novamente. Ou seja, organizar o território de forma mais justa. Democratizar é criar vasos que comunicam entre si, desde o ponto de vista territorial até às finanças da cidade. É assim que garantimos que a cidade tenha um desenvolvimento urbano mais equilibrado", analisa.

As dificuldades enfrentadas pela gestão, argumenta o ex-prefeito, estiveram associadas ao momento conturbado do Brasil. Com a queda na arrecadação e a crise política, não foi possível concluir todas as metas estipuladas. "Como prefeito, enfrentei a pior recessão da história do país. E é muito simples explicar o porquê: no cenário de crise, a receita cai e a demanda por serviço público sobe. Com a recessão o dinheiro mingua e o cidadão que estava na escola privada e no seguro de saúde volta bater à porta da Prefeitura", diz. 

Reprodução

O ex-prefeito de SP Fernando Haddad: 'Democratizar é criar vasos que comunicam entre si, desde o ponto de vista territorial até às finanças da cidade'

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo