Trump: "Sou alvo da maior caça às bruxas da história"

Declaração é dada após nomeação de conselheiro especial para supervisionar investigação do FBI sobre suposta relação entre campanha republicana e Kremlin; presidente diz que inquérito vai mostrar que não houve conluio

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta quinta-feira (18/05) que é alvo da "maior caça às bruxas" contra um político na história dos Estados Unidos. A declaração foi dada após a nomeação de um conselheiro especial, o ex-diretor do FBI Robert Mueller, para supervisionar a investigação sobre a suposta interferência russa na eleição presidencial americana de 2016 e os possíveis vínculos do Kremlin com a campanha de Trump.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em seu perfil no Twitter, Trump afirmou que, mesmo com "todos os atos ilegais" que ocorreram na campanha de sua rival democrata, a ex-secretária de Estado Hillary Clinton, e no governo do ex-presidente Barack Obama, "nunca houve a designação de um conselheiro especial". Trump escreveu a palavra conselheiro como councel em vez de counsel.

Nesta quarta-feira, por meio de um comunicado divulgado pela Casa Branca, Trump assegurou que a "exaustiva investigação" que será supervisionada por Mueller revelará a falta de relações entre sua campanha eleitoral e o Kremlin.

Diálogo entre Rússia e EUA está 'livre de ideologia' com Trump, diz Lavrov em Washington

Trump defende 'direito' de partilhar informações com Rússia após ser acusado de revelar dados secretos

Putin oferece registro de conversa de Trump com chanceler russo na Casa Branca

 

Agência Efe

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse que investigação 'confirmará o que já sabemos: não houve conluio entre minha campanha e qualquer organização estrangeira'

"Como já disse muitas vezes, uma investigação exaustiva confirmará o que já sabemos: não houve conluio entre minha campanha e qualquer organização estrangeira", afirmou o presidente.

O Departamento de Justiça nomeou Mueller conselheiro especial para supervisionar a investigação do FBI sobre a suposta interferência da Rússia nas eleições de 2016, incluindo os supostos vínculos com a campanha de Trump. O procurador-geral adjunto, Rod Rosenstein, argumentou que a decisão é necessária para que a população tenha plena confiança no resultado da investigação.

A oposição democrata vinha pedindo há semanas a nomeação de um conselheiro especial independente para essa investigação, sobretudo depois que Trump demitiu de maneira inesperada, na semana passada, o então diretor do FBI, James Comey, que estava à frente das investigações sobre a suposta interferência russa.

AS/efe/rtr

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias