Esquerda espanhola apresenta moção de censura contra Rajoy por denúncias de corrupção envolvendo PP

Pablo Iglesias, líder do Podemos, é nome proposto pela coalizão Unidos Podemos como candidato a chefe do Executivo caso moção seja aprovada; uma das denúncias aponta financiamento ilícito a campanha de Mariano Rajoy em 2008

A coalizão da esquerda espanhola Unidos Podemos apresentou nesta sexta-feira (19/05) uma moção de censura contra Mariano Rajoy, diante de escândalos de corrupção que envolvem o presidente de Governo e sua legenda, o conservador PP (Partido Popular).  


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“O objetivo desta proposta é lançar uma mensagem clara: a alternativa de um país novo, que não tolera mais as práticas corruptas de saque da coisa pública implementadas pela direita governante”, declarou a deputada Irene Montero, porta-voz do Podemos no Congresso espanhol.

A Unidos Podemos havia anunciado no último dia 27 que apresentaria a moção de censura contra Rajoy devido à operação Lezo, um suposto esquema de corrupção na administração da empresa pública Canal de Isabel II, gestora da água em Madri.

Pelo menos 12 pessoas foram detidas – entre elas nomes importantes do PP, como o ex-governador da capital espanhola Ignacio González – por um suposto desvio de mais de 23 milhões de euros na empresa.  

Outra denúncia de corrupção divulgada essa semana pela Guarda Civil espanhola aponta que o PP de Madri teria financiado ilicitamente parte dos gastos de campanha de Rajoy para as eleições parlamentares de 2008.

Agência Efe / Arquivo

Pablo Iglesias, líder do Podemos, é nome proposto pela coalizão como candidato a chefe do Executivo caso a moção de censura seja aprovada

Massacre de Guernica, que inspirou Picasso, completa 80 anos

Juiz Sérgio Moro perdeu imparcialidade necessária para julgar Lula, diz advogado de ex-presidente

Parlamento espanhol aprova retirada de restos mortais de Francisco Franco de memorial

 

No epicentro desta estrutura de financiamento ilícito está a Fundescam (Fundação para o Desenvolvimento Econômico), entidade que recebia fundos públicos da Comunidade de Madrid que depois seriam utilizados para cobrir gastos de diferentes organismos direta ou indiretamente relacionados com o PP, emitindo faturas falsas.

A denúncia também indica que várias empresas entregavam dinheiro à Fundescam para financiar campanhas do PP e, em troca, recebiam contratos públicos de organismos do Estado controlados pelo partido.

Terceira força parlamentar na Espanha, depois do PP e do PSOE, a Unidos Podemos propôs seu líder, Pablo Iglesias, como candidato a chefe do Executivo caso a moção de censura seja aprovada.

“Esta iniciativa expressa a indignação cidadã, que assiste atônita não só à destruição de todos os serviços públicos com as políticas de cortes, como também da própria democracia”, declarou Alberto Garzón, coordenador da Esquerda Unida, legenda que forma a coalizão com o Podemos.

Garzón e Montero defenderam que sua proposta transcende o trâmite puramente parlamentar e dos partidos representados no Congresso, pois “responde à saturação da sociedade diante da impunidade dos políticos corruptos”.

Segundo a Constituição espanhola, o Congresso “pode exigir a responsabilidade política do Governo mediante a adoção por maioria absoluta da moção de censura”, ou seja, com o apoio de 176 de seus 350 membros.

A coalizão de esquerda tem 71 cadeiras na Câmara baixa do Congresso espanhol, e para aprovar a moção necessitaria do apoio do Partido Socialista (85 cadeiras) e de outros 20 deputados.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias