Caminho aberto para abdicação do imperador do Japão

Deutsche Welle
Soberano octogenário expressou desejo de entregar trono ao príncipe-herdeiro, mas primeiro é preciso criar os mecanismos legais que permitam sua saída. Akihito sofre de câncer e fez cirurgia cardíaca

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O governo japonês aprovou nesta sexta-feira (19/05) um decreto extraordinário permitindo que o imperador Akihito, de 83 anos, renuncie. Já se tem como certa a rápida aprovação final pelo Parlamento para o que será a primeira abdicação no país em dois séculos, comunicou o secretário-geral do gabinete, Yoshihide Suga, após a assinatura pelo primeiro-ministro, Shinzo Abe. A abdicação deve ocorrer num prazo de três anos após o decreto ser transformado em lei.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em julho de 2016, o imperador surpreendeu o Japão, ao manifestar o desejo de deixar o posto. No mês seguinte mencionou publicamente sua idade avançada e saúde abalada, o que foi interpretado como a intenção de entregar o Trono do Crisântemo ao príncipe-herdeiro, Naruhito. Akihito está se tratando de câncer da próstata e já se submeteu a uma cirurgia cardíaca.

Agência Efe

Governo japonês abriu caminho para a abdicação de Akihito

'Fatos alternativos' é a 'despalavra' de 2017

Cientistas descobrem o que dizimou astecas

Rede de supermercados holandesa é acusada de racismo

 

Especulou-se que ele poderia renunciar no fim de dezembro de 2018, para ser substituído por seu filho mais velho em 1º de janeiro do ano seguinte. Como a atual legislação japonesa não prevê a possibilidade de abdicação, é necessário o Legislativo criar os mecanismos necessários.

Na monarquia hereditária mais antiga do mundo, o status do imperador é altamente sensível, devido às guerras travadas no século 20 em nome do pai do atual soberano, Hirohito, morto em 1989. Reverenciado como um semideus antes e durante a Segunda Guerra Mundial, ele foi reduzido a mera figura representativa, como parte das reformas do pós-guerra.

Akihito é apreciado pela forma como exerce seu papel de símbolo nacional, como prescrito pela Constituição, e é grande a compreensão por seu desejo de abdicar.

AV/afp,dpa

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'Fatos alternativos' é a 'despalavra' de 2017

Termo estimula substituição de argumentos factuais por afirmações não comprovadas para manipular debate público, diz júri; iniciativa quer chamar atenção para palavras que ferem dignidade humana ou democracia

 

Sob a fumaça, a dependência

Não são apenas os fumantes que estão atrelados a um hábito do qual é difícil se livrar; o Brasil, líder global na exportação de tabaco, oculta sob os dados econômicos um quadro social de efeitos devastadores

 

Cientistas descobrem o que dizimou astecas

Após cinco séculos de mistério, equipe internacional de pesquisadores detecta bactéria, levada por europeus, que teria sido responsável pela morte de 15 milhões de pessoas em apenas cinco anos