Caminho aberto para abdicação do imperador do Japão

Deutsche Welle
Soberano octogenário expressou desejo de entregar trono ao príncipe-herdeiro, mas primeiro é preciso criar os mecanismos legais que permitam sua saída. Akihito sofre de câncer e fez cirurgia cardíaca

O governo japonês aprovou nesta sexta-feira (19/05) um decreto extraordinário permitindo que o imperador Akihito, de 83 anos, renuncie. Já se tem como certa a rápida aprovação final pelo Parlamento para o que será a primeira abdicação no país em dois séculos, comunicou o secretário-geral do gabinete, Yoshihide Suga, após a assinatura pelo primeiro-ministro, Shinzo Abe. A abdicação deve ocorrer num prazo de três anos após o decreto ser transformado em lei.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Em julho de 2016, o imperador surpreendeu o Japão, ao manifestar o desejo de deixar o posto. No mês seguinte mencionou publicamente sua idade avançada e saúde abalada, o que foi interpretado como a intenção de entregar o Trono do Crisântemo ao príncipe-herdeiro, Naruhito. Akihito está se tratando de câncer da próstata e já se submeteu a uma cirurgia cardíaca.

Agência Efe

Governo japonês abriu caminho para a abdicação de Akihito

Coreia do Norte classifica discurso de Trump de "latido"

EUA avaliam fechar embaixada em Cuba após 'ataques acústicos'

Polícia prende suspeito de atentado em metrô londrino

 

Especulou-se que ele poderia renunciar no fim de dezembro de 2018, para ser substituído por seu filho mais velho em 1º de janeiro do ano seguinte. Como a atual legislação japonesa não prevê a possibilidade de abdicação, é necessário o Legislativo criar os mecanismos necessários.

Na monarquia hereditária mais antiga do mundo, o status do imperador é altamente sensível, devido às guerras travadas no século 20 em nome do pai do atual soberano, Hirohito, morto em 1989. Reverenciado como um semideus antes e durante a Segunda Guerra Mundial, ele foi reduzido a mera figura representativa, como parte das reformas do pós-guerra.

Akihito é apreciado pela forma como exerce seu papel de símbolo nacional, como prescrito pela Constituição, e é grande a compreensão por seu desejo de abdicar.

AV/afp,dpa

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

A XV Semana de Relações Internacionais da PUC-SP se propõe a debater diversos temas de suma importância no mundo global, diverso, construído por múltiplas interseccionalidades e difíceis obstáculos que emergem em tempos nebulosos, incertos e de repressão e transgressão. Assim, o Centro Acadêmico de Relações Internacionais da PUC-SP convida todos a participarem de uma semana repleta de debates, circunscrevendo: a Segurança Pública e Internacional; aos desafios da migração num mundo de muros e fronteiras; aos direitos em oposição com a determinação neoliberal; aos discursos de resistência e política do Sul outrora colonizado; a inserção internacional brasileira pela política externa e comercial; aos desafios da saúde num mundo global e capitalista. Mini-cursos sobre desenvolvimento da África e narrativas alternativas ao desenvolvimento progressivista na América Latina e um workshop com a Professora Dra. Mônica Hirst serão oferecidos
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias