Aula Pública Opera Mundi: por que há tão poucas artistas mulheres?

Professora Carla Cristina Garcia, da PUC-SP, discute os processos históricos que fizeram os homens ocuparem a maioria dos espaços artísticos

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, Carla Cristina Garcia discute por que as mulheres não enfrentam condições de desigualdade nas artes


Uma série de fatores sócio-históricos condiciona muitas pessoas a entrarem em museus, por exemplo, e imaginar que ali não estão expostas obras de mulheres — assim como indígenas, negros e outros grupos. Tendemos a pensar que, na verdade, estão presentes apenas obras de homens brancos. Mais do que a quantidade de quadros pendurados numa exposição, devemos estudar o percurso histórico que limita o acesso aos meios de produção e sufoca os espaços de expressão das mulheres. Dessa forma, poderemos compreender por que os homens ocupam a maioria dos espaços artísticos.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi


Esta é a análise de Carla Cristina Garcia, doutora em ciências sociais e professora da PUC-SP, ao responder à pergunta "Por Que Há Tão Poucas Artistas Mulheres?", na Aula Pública Opera Mundi. Para a especialista, é fundamental fortalecer o reconhecimento da produção cultural das mulheres e, também, garantir acesso aos meios materiais — como editais, verbas e contratos — , capazes de redistribuir as produções artísticas.

Clique aqui para assistir a todos os episódios da Aula Pública Opera Mundi

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Carla Cristina Garcia: por que há tão poucas artistas mulheres?

Assembleia Constituinte da Venezuela decide assumir parte das funções do Poder Legislativo

Professora que agrediu neonazistas durante protesto em 2016 é levada a julgamento nos EUA

Polícia da Catalunha diz que atropelamento em Barcelona é ataque terrorista

 

No segundo bloco Carla Cristina Garcia responde perguntas do público na PUC-SP.


De maneira geral, explica, homens têm mais acesso aos meios de produção, editais, bolsas de estudos etc para produzir cinema, artes plásticas, música e assim por diante. "As mulheres, em síntese, têm uma condição material que impossibilita" a posição de igualdade em relação à produção artística.  

"Mais do que quantidade, precisamos de uma cultura simbólica de qualidade, que faça, em certa altura do campeonato, que nossas netas e bisnetas possam entrar em um museu sem achar que só tem quadro de homem nesses espaços. Ou seja, citando a filósofa norte-americana Nancy Fraser, precisamos de redistribuição e reconhecimento da arte", explica.

 

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias