Morre aos 95 anos ex-guarda de Auschwitz condenado à prisão

Deutsche Welle
Há um ano, Reinhold Hanning foi sentenciado por cumplicidade em 170 mil mortes ocorridas no campo de concentração de Auschwitz entre 1943 e 1944; nonagenário negava participação nos assassinatos

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O ex-guarda do campo de concentração de Auschwitz Reinhold Hanning,condenado no ano passado a cinco anos de prisão, morreu aos 95 anos. Seu advogado afirmou nesta quinta-feira (01/06) que a morte ocorreu no dia 30 de maio, sem fornecer mais detalhes.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

A condenação do Tribunal Estadual de Detmold ainda não havia sido efetivada legalmente, uma vez que a Corte Federal de Justiça da Alemanha ainda examinava pedidos de revisão da sentença feito pelos advogados de defesa.

Hanning, que aderiu voluntariamente à tropa nazista SS, foi acusado de cumplicidade em 170 mil mortes ocorridas em Auschwitz entre 1943 e 1944.

Ele estava presente no local durante a chamada operação Hungria, que resultou na deportação de 425 mil judeus húngaros ao campo de concentração durante um período de três meses, em 1944. A maioria morreu nas câmaras de gás logo após chegar ao local.

Alemanha quer multar em até 50 milhões de euros redes sociais que não removerem notícias falsas

Merkel e Macron prometem reforçar laços e se dizem abertos a mudanças na UE

De volta à Alemanha Oriental para lidar com a demência

 

picture alliance/AP Photo/B. Thissen

Durante audiências, Hanning admitiu ter conhecimento dos assassinatos

Segundo o Tribunal Estadual de Detmold, que condenou Hanning, ele estava ciente "de que em Auschwitz inocentes eram diariamente assassinados nas câmaras de gás". Durante as audiências, o ex-guarda admitiu ter conhecimento dos assassinatos, mas rechaçou qualquer participação neles.

Em abril do ano passado, ele pediu publicamente desculpas às vítimas da SS, dizendo arrepender-se de ter sido parte de uma "organização criminosa" que matou tantos e causou tanto sofrimento.

Estima-se que 1,1 milhão de pessoas tenham sido mortas no campo de concentração de Auschwitz, atualmente situado na Polônia, entre as quais 1 milhão de judeus, a maioria na divisão de extermínio Auschwitz II-Birkenau.

A ação contra Hanning só foi possível graças ao estabelecimento de um precedente jurídico em 2011, quando o ucraniano John Demjanjuk se tornou o primeiro réu condenado na Alemanha apenas por servir como guarda num campo de concentração, mesmo sem provas de envolvimento concreto em atos criminosos. Sentenciado a cinco anos de prisão, ele morreu em março de 2012, aos 91 anos, sem cumprir a pena.

RC/dpa/ap

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo