Poder de compra dos trabalhadores da Argentina diminuiu desde início do governo Macri, diz estudo

Documento aponta que beneficiários de programas sociais e aposentados também foram afetados desde novembro de 2015; país enfrenta a pior taxa de inflação em 25 anos

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Um relatório do Centro de Estudos Econômicos Sociais Scalabrini Ortiz (CESO)  constatou que o poder de compra dos trabalhadores, aposentados e beneficiários de programas sociais argentinos diminuiu desde a chegada de Mauricio Macri à presidência da Argentina.  


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O documento, divulgado nesta sexta-feira (09/06), apontou que as atualizações e bônus recebidos desde novembro de 2015 não foram capazes de acompanhar a alta dos preços. O estudo comparou a evolução do salário mínimo, da aposentadoria mínima e do beneficio social Asignación Universal por Hijo (AUH) com valor teórico que eles teriam se tivessem acompanhado, na mesma proporção, o Índice de Preços de Consumo (IPC) da cidade de Buenos Aires, indicador utilizado como base do cálculo da inflação no país.

Os resultados apontam que a perda acumulada dos trabalhadores foi de 10.341 pesos (equivalente a R$2.159,00), cerca de um salário mínimo mensal acrescidos de 20%. Para os aposentados, a perda foi de 8.352 pesos (equilvalente a R$1.743,90) acumulados desde novembro de 2015, e os beneficiários do AUH acumularam 287 pesos (equivalente a R$59,90) negativos. 

Caracas acusa Exército da Colômbia de recrutar venezuelanos para criar focos de violência na fronteira

Mulher que ficou 10 anos presa por ter dado à luz bebê sem vida é libertada em El Salvador

Maduro diz que vai à Cúpula das Américas 'chova, troveje ou relampeje'

 

Agência Efe

Trabalhadores, aposentados e beneficiários de programas sociais tiveram seu poder de compra diminuido no governo de Macri

Macri chegou à presidência com propostas neoliberais, prometendo reduzir à inflação do país para 25%. Porém, o país enfrenta o pior índice em 25 anos, chegando a marcar 41% em 2016. Em fevereiro, a taxa registrou um aumento de 2,5%, somando mais de 25% em 12 meses, segundo dados do Indec (Instituto Nacional de Estatísticas e Censos).

Além disso, um estudo do Observatório da Dívida Social Argentina da Universidad Católica Argentina (UCA), divulgado em março de 2017, indicou que a pobreza no país cresceu 3,9 pontos percentuais no terceiro trimestre de 2016 em relação ao final de 2015, afetando 13 milhões de pessoas devido à precariedade do mercado de trabalho e a falta de políticas de desenvolvimento.

Em abril, uma greve geral que durou 24 horas foi convocada pela Confederação Geral do Trabalho (CGT) da Argentina e mobilizou algumas das principais cidades do país contra as políticas econômicas do governo Macri. 

Leia Mais

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

O livro que você quer!

O livro que você quer!

A Editora Alameda selecionou 31 títulos especialmente para você, leitor de Opera Mundi. Alguns destaques: Vila Buarque, o caldo da regressão, de Marcos Gama; Autoritarismo e golpes na América Latina, de Pedro Estevam Serrano; Machado de Assis - a Poesia Completa; A formação do mercado de trabalho no Brasil, de Alexandre de Freitas Barbosa; Nós que amamos a revolução, de Américo Antunes; Jorge Amado na Hora da Guerra, de Benedito Veiga; Da Pizza ao Impeachment, de Roberto Grün; Tsimane, de Aline Vieira, e Casa da Vovó, de Marcelo Godoy. A lista é incrível, aproveite. Tem alguns descontos convidativos e o frete é grátis para todo o Brasil.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias