Com método cubano, MST vai alfabetizar 20 mil pessoas no Maranhão

Objetivo do governo do Estado é erradicar o analfabetismo nos municípios atendidos pelo programa 'Yo, Sí Puedo', ou 'Sim, Eu Posso', na versão brasileira

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), em parceria com o governo do Maranhão, comandado por Flávio Dino (PCdoB), iniciou, nesta semana, a segunda etapa de aplicação do programa de alfabetização cubano "Yo, Sí Puedo" ou "Sim, Eu Posso", na versão brasileira. O objetivo é ensinar 20 mil pessoas, de 15 municípios, a ler e escrever.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

O projeto está paulatinamente sendo ampliado. Em sua primeira etapa, chegou a 7 mil pessoas, moradoras de oito cidades. A meta é alcançar os 30 municípios com menor IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do Estado, o mais empobrecido do país.

Para atingir o objetivo, foi construída uma brigada nacional composta por 79 militantes do MST, vindos de 11 Estados do país. A tarefa deles é mobilizar grupos de jovens e lideranças locais das comunidades e realizar formações com educadores e coordenadores pedagógicos para transmitir o método cubano, de forma que eles atuem como multiplicadores.

De acordo com o secretário de direitos humanos e participação popular do Maranhão, Francisco Gonçalves da Conceição, "agora há um desafio novo: nos oito municípios que nós iniciamos, queremos erradicar o analfabetismo”.

Identidade

Os jovens e adultos da primeira jornada de alfabetização depois que aprenderam a ler e a escrever tiveram as carteiras de identidade atualizadas para que deixe de constar o carimbo"não alfabetizado".

Projeto coordenado pelo MST alfabetiza mais de 7 mil pessoas com método cubano

Cuba critica 'intenções imperiais e oligárquicas' de OEA e EUA contra Venezuela

Antonio Candido: 'o socialismo como caminho para a igualdade é uma doutrina triunfante'

 

Governo do Maranhão

Primeira etapa do projeto já chegou a 7 mil pessoas de oito cidades do Maranhão

Maria Divina Lopes, dirigente estadual do MST no Estado, conta que a entrega foi feita durante um seminário. Ela lembra que foi um dos momentos mais emocionantes do projeto: “A gente vê na expressão do educando que conseguiu trocar sua identidade e escrever o nome. Uma expressão tanto de empoderamento, quanto de orgulho, orgulho de si, da sua capacidade de superação”, recorda.

"Sim, Eu Posso"

O método de alfabetização cubano "Sim, Eu Posso!" é aplicado nos quatro primeiros meses da formação. Depois disso, é utilizada a metodologia dos Círculos de Cultura, que é baseada nas propostas do educador Paulo Freire e segue sendo aplicada até o final do projeto.

Graças ao método "Sim, Eu Posso", a Venezuela se declarou, em 2005, um território livre de analfabetismo. A Bolívia obteve resultado semelhante, com o reconhecimento da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), em 2016.

 

Publicado originalmente no site do jornal Brasil de Fato

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias