Aula Pública com Frederico de Almeida: como é formada a elite da Justiça brasileira?

Professor da Unicamp explica o funcionamento e as hierarquias do sistema judiciário brasileiro

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

No sistema judiciário, há elites que operam dentro das carreiras. Subir na hierarquia é, cada vez mais, menos dependente de provas objetivas e mais dependente de avaliações subjetivas. Nesse sentido, vários fatores políticos — que nada têm a ver com concursos ou formação acadêmica — começam a aparecer no processo de seleção e ascensão na carreira. Apenas nessa perspectiva é possível compreender como a elite da Justiça é formada.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi


Esta é uma das análises de Frederico de Almeida, doutor em Ciência Política pela USP e professor da Unicamp, ao discutir Como é Formada a Elite da Justiça Brasileira, na Aula Pública Opera Mundi.

Clique aqui para assistir a todos os episódios da Aula Pública Opera Mundi

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, professor Frederico de Almeida discute a formação do Judiciário brasileiro

"Quanto mais a gente sobe nas hierarquias internas do sistema judiciário e das carreiras jurídicas no geral, mais elas se tornam parecidas com as elites do passado. Ou seja, essas vagas são ocupadas por famílias com poder social e econômico e, consequentemente, com um alto grau de prestígio na sociedade. Por exemplo, hoje no STJ (Superior Tribunal de Justiça), há três ministros que são filhos ou sobrinhos de alguém que já foi ministro do STF", afirma.

Assista ao primeiro bloco da Aula Pública com Frederico de Almeida: como é formada a elite da Justiça brasileira?

Aula Pública com Fernando Haddad: como as cidades podem ser mais democráticas?

Aula Pública Opera Mundi: por que há tão poucas artistas mulheres?

Aula Pública com Eleonora de Lucena: Brasil, como nação, vive crise sem precedentes? Como sair dela?

 

No segundo bloco, Frederico de Almeida responde perguntas do público da Universidade Anhembi Morumbi, na Mooca. 


Estudos sobre os juristas no Brasil, explica Frederico, mostram que as carreiras de magistrado, procurador e advogado se tornaram menos elitistas. "Antigamente o curso de direito era para poucos", afirma. E as pessoas que ocupavam esses cargos eram filhos de famílias que tinham poder político e econômico. Porém, isso não significa uma democratização maior nos cargos mais altos.

"A partir dos anos 1960, surgem mudanças na sociedade brasileira, como a migração do campo para cidade e o aparecimento de uma classe média, resultando no aumento da oferta de vagas para o curso de direito. E, consequentemente, os concursos públicos começam a se consolidar. No entanto, como aponta minha pesquisa de doutorado, a democratização não chegou aos níveis mais altos do sistema, onde ainda há uma estrutura formada pela elite", afirma Frederico de Almeida.

Opera Mundi TV

Na Aula Pública, professor Frederico de Almeida discute a formação do Judiciário brasileiro

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

Irlandeses votam a favor da legalização do aborto

Maioria significativa respondeu com 'sim' em referendo sobre reforma da atual legislação do aborto na Irlanda, uma das mais restritivas da Europa; autoridades governamentais saúdam vitória da democracia em dia histórico

 

Philip Roth: um escritor aberto ao outro

Aos poucos, a geração de escritores que me formou e que foi decisiva na minha opção por estudar a literatura contemporânea vai terminando; e eu vou ficando cada vez menos contemporâneo