16,4 milhões de norte-americanos acham que leite com chocolate vem de vaca marrom, indica estudo

Resultados apontam que pessoas desconhecem origem de hambúrgueres, picles e batatas fritas; ONG acredita que falta de informação pode levar a problemas de saúde

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Uma pesquisa divulgada pelo Innovation Center of U.S. Dairy apontou que 7% dos adultos norte-americanos acreditam que o leite com chocolate é derivado de vacas marrons. Isso é equivalente a 16,4 milhões de pessoas que acreditam que a cor do animal estaria relacionada com a do leite. A quantidade é equivalente à população de todo o Estado da Pensilvânia. 


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

De acordo com uma reportagem publicada nesta sexta (15/06) pelo jornal Washington Post, um estudo realizado pela Universidade de Columbia, no início dos anos 1990, já havia um panorama ainda maior sobre o desconhecimento da população norte-americana sobre agricultura e produção de alimentos. O estudo destacou que uma em cada cinco pessoas não sabia que hambúrgueres são feitos com carne, nem sabiam qual era o tamanho das fazendas dos EUA ou quais são os alimentos que os animais consomem.

Para Cecily Upton, co-fundadora da ONG Food Corps, que trabalha para introduzir conhecimentos ligados à agricultura e nutrição no ensino básico, os estudos revelam um problema maior: “Neste momento, nós somos condicionados a pensar que, se você precisa de comida,você vai até a loja. Nada em nosso quadro educacional ensina as crianças de onde vem o alimento antes desse ponto ". Segundo Upton, lições básicas poderiam contribuir para problemas de saúde como obesidade e doenças cardíacas. “Nós ainda encontramos crianças que ficam surpresas em saber que batatas fritas vêm de uma batata”, afirmou a pesquisadora ao Post.

Flickr/CC/Valentin Magallanes

7% dos norte-americanos acrditam que leite com chocolate vem de vacas marrons, indica pesquisa

Em vídeo, ex-presidente mexicano diz a Trump que país não vai pagar 'pela porra de um muro'

Porto-riquenhos optam pela anexação aos EUA em plebiscito

Estudo indica que 65% dos norte-americanos apoiam reaproximação entre EUA e Cuba

 

Outtro levantamento - este realizado pela Universidade da Califórnia - entrevistou estudantes do ensino fundamental e obteve conclusões que comprovam o pensamento de Upton. De acordo com o estudo, mais da metade dos alunos entrevistados não sabiam que o picles em conserva é, na verdade, pepino, nem que cebola e alface eram vegetais. Além disso, quatro em cada 10 estudantes disseram não saber que hambúrgueres eram feitos de carne e que três em cada dez não sabiam que o queijo é derivado do leite.

Para a historiadora Ann Vileisis, essa falta de conhecimento pode ser explicada pela formação da sociedade norte-americana. Em seu livro Kitchen Literacy, Vileisis afirma que, em meados dos anos 1800, a maioria da população estava migrando para as cidades e se afastando das zonas rurais e agrícolas. Esse processo se intensificou com a chegada de novas tecnologias de transporte e manufatura de alimentos, que permitiram que a comida chagasse mais rápido às cidades e pudesse ser consumida de diferentes formas.

Para a historiadora, “a indiferença sobre as origens e sobre a produção de alimentos tornou-se uma norma da cultura urbana, formando a base de uma sensibilidade alimentar moderna que se espalharia por toda a América nas décadas que se seguiram”. 

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Escravidão e Liberdade

Escravidão e Liberdade

A editora Alameda traz uma seleção especial de livros escravidão, abolição do trabalho escravo e sobre cultura negra. Conheça o trabalho de pesquisadores que se dedicaram profundamente a esses temas, centrais para o debate da questão racial e da história do Brasil. 

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias