Trump cancela parte de acordo feito por Obama com Cuba e se opõe a fim de sanções contra ilha

Mudanças incluem proibição de viagens individuais para fazer contatos com cubanos e possibilidade de auditoria em todos os americanos que visitem Cuba para comprovar que não violam sanções

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou nesta sexta-feira (16/06) o “cancelamento” do acordo firmado pelo ex-presidente Barack Obama com Cuba. Apesar de dizer que estaria descartando todo o pacto, a anulação é apenas parcial.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

As mudanças divulgadas pela Casa Branca incluem a proibição das viagens individuais para fazer contatos com o povo cubano, conhecidos em inglês como "people to people travel", e a possibilidade de auditoria a todos os americanos que visitem Cuba para comprovar que não violam as sanções dos EUA. "Implementaremos a proibição do turismo, e implementaremos o embargo", disse.

Trump anunciou ainda que se "restringirá muito robustamente o fluxo de dólares americanos aos serviços militares, de segurança e de inteligência" da ilha, e que dará "passos concretos para assegurar-se que os investimentos" de empresas americanas "fluem diretamente ao povo".

O cancelamento é parcial porque, por exemplo, a recém-aberta embaixada em Havana não será fechada. "A nossa embaixada permanece aberta com a esperança que os nossos países possam forjar um caminho muito melhor", afirmou o presidente norte-americano.

Bloqueio econômico

A mudança de política inclui o apoio pessoal de Trump ao embargo comercial e financeiro norte-americano à ilha e a oposição aos pedidos internacionais para que o Congresso derrube o bloqueio.

"A política reafirma o embargo americano imposto por lei a Cuba e se opõe aos pedidos nas Nações Unidas e outros foros internacionais para acabar com ele", disse Casa Branca em um comunicado, enquanto Trump anunciava a mudança de política em um teatro de Little Havana, em Miami.

Tiroteio em campo de baseball na Virgínia fere líder republicano do Congresso dos EUA

Merkel critica novas sanções dos EUA contra Rússia

16,4 milhões de norte-americanos acham que leite com chocolate vem de vaca marrom, indica estudo

 

Agência Efe

Trump reverteu boa parte do acordo firmado por Obama com Cuba

A suspensão do bloqueio econômico é algo que só pode ser decidido pelo Congresso dos EUA, controlado agora pelos republicanos na Câmara e no Senado. "Faremos com que o embargo seja cumprido", disse Trump.

“Acordo melhor”

O presidente norte-americano se disse disposto a negociar o que chamou de “acordo melhor” com Havana, mas apenas se houver avanços "concretos" para a realização de "eleições livres" e a liberdade do que ele classificou como "prisioneiros políticos".

"Não suspenderemos as sanções a Cuba até que todos os prisioneiros políticos sejam livres, todos os partidos políticos estejam legalizados e sejam programadas eleições livres e supervisionadas internacionalmente", disse.

Trump também desafiou Havana "a comparecer à mesa [de negociação] com um novo acordo que esteja no melhor interesse tanto do seu povo como do norte-americano".

O mandatário disse, no entanto, que "qualquer mudança" à sua postura com Cuba dependerá de "avanços concretos" rumo a objetivos como as “eleições livres”, a liberdade de “presos políticos” e a entrega à Justiça norte-americana de "criminosos e fugitivos" que encontraram refúgio na ilha.

"Quando os cubanos derem passos concretos, estaremos prontos, preparados e capazes de voltar à mesa para negociar esse acordo, que será muito melhor", disse.

O que diz a norma assinada por Trump?

- Aumenta as restrições de viagem para recrudescer a proibição de turismo dos EUA a Cuba;

- Reafirma o bloqueio econômico;

- Se opõe a convocatórias na ONU e em outros foros internacionais que apoiam Cuba e pedem o fim do bloqueio;

- Viagens com fins educativos não acadêmicos serão limitadas e acontecerão somente em grupo;

- Fica proibida a viagem individual liberada por Obama;

- Os cubano-americanos poderão continuar visitando Cuba e enviando recursos;

- Impede atividades econômicas com empresas vinculadas às Forças Armadas Revolucionárias de Cuba;

- Restringe as possibilidades de negócios com as empresas públicas de Cuba;

- Não reestabelece política de “pés secos – pés molhados”, que permitia que a cubanos sem documentos ficar nos EUA

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

História Agrária da Revolução Cubana

História Agrária da Revolução Cubana
Este livro é um estudo sobre a saga da reforma agrária numa sociedade de origem colonial presa ao círculo vicioso do subdesenvolvimento. Fundamentado em farta documentação e entrevistas com técnicos e lideranças que participaram diretamente do processo histórico cubano, o trabalho reconstitui as barreiras encontradas pela revolução liderada por Fidel Castro para superar as estruturas materiais de uma economia de tipo colonial.
Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

EUA e Coreia do Sul iniciam exercício militar

Apesar da recente escalada de tensão na península coreana, Washington e Seul mantêm treinamento militar anual; Pyongyang alerta que manobras "imprudentes" podem desencadear a "fase incontrolável de uma guerra nuclear"