Empresa usou material proibido em revestimento de edifício incendiado em Londres, diz ministro britânico

Investigação irá analisar a atuação da empresa responsável pela obra de renovação realizada em 2016 e determinar se a regulamentação local foi desrespeitada, disse Philip Hammond

O edifício Grenfell Tower, incendiado na madrugada da última quarta-feira (14/06) em Londres, tinha como revestimento um material cujo uso para este fim é proibido no Reino Unido em prédios daquela altura. A informação foi divulgada neste domingo (18/06) à imprensa britânica pelo ministro de Finanças britânico, Philip Hammond. O fogo que destruiu o bloco residencial de 24 andares na região oeste da capital britânica deixou 79 pessoas desaparecidas até agora, com pelo menos 58 mortes já confirmadas.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo Hammond e a imprensa local, o edifício pegou fogo com rapidez porque em seu revestimento havia polietileno, plástico comum, que é inflamável. Este tipo de material é utilizado na construção civil para este fim por seu baixo custo, porém é perigoso devido ao alto grau de combustão, sendo proibido no Reino Unido em prédios com mais de 18 metros de altura. O revestimento foi instalado pela empresa Rydon durante uma obra de renovação em 2016, com o custo de quase 10 milhões de euros. 

“A minha compreensão é que o revestimento em questão é proibido na Europa e nos EUA, e também é proibido aqui”, disse Hammond neste domingo (18/06) à BBC, acrescentando que a investigação sobre o caso vai analisar a atuação da empresa responsável pela obra e determinar se a regulamentação local foi desrespeitada.

Ataque com veículo em Londres deixa mortos e feridos; polícia fala em terrorismo

Autor de ataque terrorista em Londres era britânico e havia sido investigado pelo serviço secreto, diz May

Incêndio em prédio residencial deixa mortos em Londres

 

London Fire Brigade

Incêndio atinge edifício de 24 andares e 127 apartamentos em Kensington, região oeste de Londres

Em comunicado divulgado no dia seguinte ao incêndio, a Rydon afirmou que “o edifício respeitava todos os parâmetros de construção necessários na regulação de incêndio e dos padrões de saúde e segurança” e que irá cooperar com as autoridades nas investigações.

Anos antes da tragédia, os moradores já se queixavam das condições de segurança do edifício. Eles criaram em 2010 o blog Grenfell Action Group para alertar, entre outros problemas, sobre a falta de inspeção e manutenção de equipamentos de proteção contra incêndios na Grenfell Tower. 

"Prevíamos que uma catástrofe como esta era inevitável e apenas uma questão de tempo", escreveu o grupo de moradores no blog.

O edíficio Grenfell Tower foi construído em 1974 no norte do distrito de Kensington, com 24 andares e 127 apartamentos. O prédio, que é de propriedade do Estado, porém gerido por uma entidade privada, abrigava entre 400 e 600 famílias de baixa renda.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Um livro fundamental para a luta das mulheres brasileiras

Este livro traz de volta, depois de anos esgotado, o texto "Breve Histórico do Feminismo no Brasil", da pesquisadora e militante Maria Amélia de Almeida Teles. E acrescenta seis ensaios da autora, que tratam de temas como o aborto, a luta pela creche, a violação dos direitos humanos das mulheres durante a ditadura militar, a repressão contra as crianças no período e ainda o feminicídio.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

Meu primeiro festival pornô

No PopPorn, festival de pornografia alternativa que acontece todos os anos em São Paulo desde 2010, repórter aprende sobre shibari e BSDM, acompanha performances sexuais e aprende como fazer seu próprio pornô