Empresa usou material proibido em revestimento de edifício incendiado em Londres, diz ministro britânico

Investigação irá analisar a atuação da empresa responsável pela obra de renovação realizada em 2016 e determinar se a regulamentação local foi desrespeitada, disse Philip Hammond

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

O edifício Grenfell Tower, incendiado na madrugada da última quarta-feira (14/06) em Londres, tinha como revestimento um material cujo uso para este fim é proibido no Reino Unido em prédios daquela altura. A informação foi divulgada neste domingo (18/06) à imprensa britânica pelo ministro de Finanças britânico, Philip Hammond. O fogo que destruiu o bloco residencial de 24 andares na região oeste da capital britânica deixou 79 pessoas desaparecidas até agora, com pelo menos 58 mortes já confirmadas.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

Segundo Hammond e a imprensa local, o edifício pegou fogo com rapidez porque em seu revestimento havia polietileno, plástico comum, que é inflamável. Este tipo de material é utilizado na construção civil para este fim por seu baixo custo, porém é perigoso devido ao alto grau de combustão, sendo proibido no Reino Unido em prédios com mais de 18 metros de altura. O revestimento foi instalado pela empresa Rydon durante uma obra de renovação em 2016, com o custo de quase 10 milhões de euros. 

“A minha compreensão é que o revestimento em questão é proibido na Europa e nos EUA, e também é proibido aqui”, disse Hammond neste domingo (18/06) à BBC, acrescentando que a investigação sobre o caso vai analisar a atuação da empresa responsável pela obra e determinar se a regulamentação local foi desrespeitada.

Ataque com veículo em Londres deixa mortos e feridos; polícia fala em terrorismo

Autor de ataque terrorista em Londres era britânico e havia sido investigado pelo serviço secreto, diz May

Incêndio em prédio residencial deixa mortos em Londres

 

London Fire Brigade

Incêndio atinge edifício de 24 andares e 127 apartamentos em Kensington, região oeste de Londres

Em comunicado divulgado no dia seguinte ao incêndio, a Rydon afirmou que “o edifício respeitava todos os parâmetros de construção necessários na regulação de incêndio e dos padrões de saúde e segurança” e que irá cooperar com as autoridades nas investigações.

Anos antes da tragédia, os moradores já se queixavam das condições de segurança do edifício. Eles criaram em 2010 o blog Grenfell Action Group para alertar, entre outros problemas, sobre a falta de inspeção e manutenção de equipamentos de proteção contra incêndios na Grenfell Tower. 

"Prevíamos que uma catástrofe como esta era inevitável e apenas uma questão de tempo", escreveu o grupo de moradores no blog.

O edíficio Grenfell Tower foi construído em 1974 no norte do distrito de Kensington, com 24 andares e 127 apartamentos. O prédio, que é de propriedade do Estado, porém gerido por uma entidade privada, abrigava entre 400 e 600 famílias de baixa renda.

Outras Notícias

X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

Publicidade

Faça uma pós agora!

Faça uma pós agora!

A leitura literária é um fator importante na construção de relações humanas mais justas. Do mesmo modo, a formação de leitores críticos é imprescindível para a constituição de uma sociedade democrática.

Por isso, torna-se cada vez mais urgente a abertura de novos e arejados espaços de interlocução qualificada entre os sujeitos que atuam nesse processo, em diversos contextos sociais.

A proposta do curso é proporcionar, por meio de discussões abrangentes e aprofundadas sobre a formação do leitor literário, uma reflexão ancorada principalmente em três áreas do conhecimento: a teoria literária, a mediação da leitura e a crítica especializada.

Leia Mais

A revista virtual
desnorteada

O melhor da imprensa independente

Mais Lidas

Últimas notícias

50 anos depois, ainda temos um sonho

Somente o acesso real de todos a serviços públicos de qualidade possibilitará a luta pela justiça social e pela redução das desigualdades