Morre aos 89 anos Simone Veil, política francesa e ícone do feminismo europeu

Sobrevivente do Holocausto, Veil foi a ministra da Saúde responsável pela legalização do aborto na França, em 1975, e primeira mulher a ser eleita presidente do Parlamento Europeu, em 1979

Esteja sempre bem informado
Receba todos os dias as principais notícias de Opera Mundi

Receba informações de Opera Mundi

Morreu nesta sexta-feira (30/06), aos 89 anos, a francesa Simone Veil, a primeira mulher  a ser presidente do Parlamento Europeu e uma das mais importantes representantes da política da França.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

"Minha mãe faleceu nesta manhã em sua casa", anunciou seu filho, Jean Veil, lembrando que ela "teria completado 90 anos no próximo dia 13 de julho".

Com uma orientação política de centro-esquerda, Veil foi uma das figuras fundamentais na Quinta República. Sobrevivente de um campo de concentração nazista, ela lutou ao longo da vida por diversos direitos das mulheres.

Em 1974, enquanto era ministra da Saúde no governo de Valéry Giscard d'Estaing, apresentou à Assembleia Nacional o projeto de lei sobre o aborto, que foi aprovado no ano seguinte.

Agência Efe

Simone Veil em 2005; política francesa foi primeira mulher a presidir Parlamento Europeu

Porta-voz da Casa Branca sugere que Hitler não usou armas químicas

Nenhum grande problema mundial pode ser resolvido sem a Rússia, diz Macron com Putin

Coleção de objetos nazistas é encontrada em esconderijo na Argentina

 

Já em 1979, foi eleita a primeira presidente mulher do Parlamento Europeu, em cargo que ocupou até 1982. Veil ainda foi a primeira pessoa a ser eleita por voto direto na Casa, fato que ocorre até hoje.

O atual presidente francês, Emmanuel Macron, lamentou a morte de Veil e homenageou sua história.

"Condolências à família de Simone Veil. Que o seu exemplo possa inspirar os nossos compatriotas, para que encontrem o melhor da França", escreveu em sua conta no Twitter.

Já o atual líder do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, afirmou que a Europa "perde uma grande mulher e uma de suas protagonistas".

"Ela deixou uma marca na história da Europa, dando uma forte contribuição à unidade e ao reforço das instituições democráticas. O seu ensinamento deve inspirar e nos forçar a fazer mais na Europa e no mundo até não haver mais discriminações contra as mulheres", acrescentou Tajani.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Receba informações de Opera Mundi

Destaques

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

'Fatos alternativos' é a 'despalavra' de 2017

Termo estimula substituição de argumentos factuais por afirmações não comprovadas para manipular debate público, diz júri; iniciativa quer chamar atenção para palavras que ferem dignidade humana ou democracia

 

Sob a fumaça, a dependência

Não são apenas os fumantes que estão atrelados a um hábito do qual é difícil se livrar; o Brasil, líder global na exportação de tabaco, oculta sob os dados econômicos um quadro social de efeitos devastadores

 

Cientistas descobrem o que dizimou astecas

Após cinco séculos de mistério, equipe internacional de pesquisadores detecta bactéria, levada por europeus, que teria sido responsável pela morte de 15 milhões de pessoas em apenas cinco anos