Temer comete nova gafe em viagem internacional e diz que seu governo fez 'voltar o desemprego'; veja vídeo

Vídeo foi publicado no Twitter oficial do presidente, que está em Hamburgo participando da reunião do G20; mês passado, ele chamou rei da Noruega de sueco e agenda indicava viagem para URSS

O presidente Michel Temer cometeu nesta sexta-feira (07/07) uma nova gafe em uma viagem internacional. Em Hamburgo, Alemanha, onde participa da reunião do G20, ele afirmou em um vídeo publicado no Twitter que seu governo fez “voltar o desemprego”.


Clique e faça agora uma assinatura solidária de Opera Mundi

“Também se discutiu a questão dos negócios internacionais, das relações internacionais. E cada país fez um relato daquilo que está fazendo no seu país, como eu pude fazer um relato daquilo que estamos fazendo no Brasil, gerando exatamente inflação baixa, reduzindo os juros, fazendo voltar o desemprego e combatendo a recessão”, disse.

O vídeo foi apagado do Twitter do presidente.

Assista ao vídeo:

Outras gafes

Na última viagem internacional que fez, em junho, os problemas de Temer já haviam começado antes mesmo de ele sair do Brasil. A agenda oficial do Palácio do Planalto disse que o presidente embarcaria para a “República Socialista Federativa Soviética da Rússia”. Após alguns minutos, o erro foi corrigido e o destino foi alterado para Federação Russa, nome oficial do país.

Mesmo com a correção, o link disponível para o internauta adicionar o compromisso a sua agenda pessoal ainda mostra que a viagem do presidente seria para a antiga URSS. Para quem busca “República da Rússia” no Google, o primeiro resultado oferecido pelo buscador é o nome “República Socialista Federativa Soviética da Rússia”. A União Soviética foi dissolvida em 1991.

Eleição no Japão: Pesquisas mostram favoritismo de premiê Shinzo Abe, que foca campanha em Coreia do Norte

Costa Rica 'demonstra submissão vergonhosa aos EUA' ao desconhecer resultados na Venezuela, diz Caracas

Governadores eleitos na Venezuela tomam posse; oposição se recusa a ir à Assembleia Constituinte

 

De Moscou, o presidente brasileiro foi a Oslo, onde foi cobrado pela premiê norueguesa Erna Solberg pelo combate à corrupção no Brasil e teve a notícia de que a Noruega reduziria os repasses a Brasília do fundo de conservação da Amazônia, por conta do aumento do desmatamento.

Depois das críticas de Solberg, Temer tomou a palavra e declarou que visitaria o “Parlamento brasileiro” e se encontraria com o “rei da Suécia”, quando na verdade visitou o Parlamento da Noruega e se reuniu com o rei norueguês, Harald V.

Ao voltar o Brasil, Temer afirmou que havia verificado o interesse de empresários “soviéticos” de investir no Brasil, além de se referir a “empreendimentos soviéticos”.

“Estive agora recentemente em Moscou, na Rússia, e depois na Noruega, e verifiquei o interesse extraordinário dos empreendimentos soviéticos, o deputado [Darcísio] Perondi lá esteve em nossa comitiva, e nós pudemos verificar o interesse extraordinário de empresários soviéticos e noruegueses no nosso país, pelo que está acontecendo no país”, afirmou Temer.

Rogério Melo/PR

Temer disse, na Alemanha, que seu governo fez "voltar o desemprego"

Leia Mais

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Outras Notícias

PUBLICIDADE
X

Assine e receba as últimas notícias

Destaques

Publicidade

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Promoção 100 livros para os 100 anos da Revolução

Inspirada pela Revolução Russa, a Alameda Casa Editorial fez uma seleção de 100 livros com desconto de 20% e frete grátis. São livros que tratam da sociedade capitalista, do mercado de trabalho, do racismo, do pensamento marxista, das grandes depressões econômicas, enfim: do pensamento social que, direta ou indiretamente, foi influenciado pela revolução dos trabalhadores de 1917. Aproveite.

Leia Mais

O melhor da imprensa independente

PUBLICIDADE

A revista virtual
desnorteada

Mais Lidas

Últimas notícias

China mantém crescimento acima da meta anual

Expansão de 6,8% da segunda maior economia do mundo no terceiro trimestre fica ligeiramente abaixo da alta no restante do ano; presidente afirma que perspectivas são "brilhantes", mas que país enfrenta "sérios desafios"